Exibição de Madame Grès em Paris é ode à moda do drapeado

sexta-feira, 8 de julho de 2011 18:52 BRT
 

Por Alexandria Sage

PARIS, 8 de julho (Reuters Life!) - Uma dobra é apenas uma dobra -- a não ser, é claro, que seu nome seja Madame Grès.

Para a celebrada estilista, que pregueou e drapeou o caminho de sua carreira de meio século no mundo da moda, a arte de dobrar tecidos meticulosamente sobre o corpo para criar formas esculpidas levaram a técnica a arte.

Cerca de 80 criações da artista, que morreu em 1993, estão em exibição na capital francesa. A coleção, selecionada dos arquivos temporariamente fechados da Musée Galliera da moda, é a primeira retrospectiva dessa lendária parisiense cuja marca registrada é o turbante de angorá, e a quem estilistas da moda contemporânea devem muito.

Em um exemplo estonteante, seda em um laranja elétrico é drapeada em centenas de minúsculas dobraduras em três camadas, acentuadas com um laço marrom no vestido de 1977, que é ao mesmo tempo contemporâneo e clássico.

Em outra sala, sete vestidos brancos dos anos 1950 aos 1970 oferecem versatilidade dentro de um tema comum. Os vestidos variam de uma modesta simplicidade grega a um estilo de vanguarda.

No momento em que os desfiles da alta costura chegam ao fim em Paris -- a concorrência no universo da moda em que estilistas de ponta lutam para superar os rivais com crescente luxo e glamour -- a exposição oferece uma rara visão da estilista do século 20 para quem a simplicidade e a perfeição, mais do que a ostentação, foram os objetivos de uma vida.

"A perfeição é um dos objetivos que estou buscando", disse Grès certa vez. "Para que um vestido sobreviva de uma era para a próxima, ele deve ser marcado por uma extrema pureza."

(Reportagem de Alexandria Sage)

 
Visitantes em exposição da estilista Madame Grès em Paris, França. 07/07/2011 REUTERS/Charles Platiau