Diretora de jornais britânicos de Murdoch se demite

sexta-feira, 15 de julho de 2011 11:05 BRT
 

Por Keith Weir e Georgina Prodhan

LONDRES (Reuters) - A presidente-executiva da unidade britânica de jornais da News Corp., Rebekah Brooks, deixou seu cargo na sexta-feira, cedendo à pressão política e de investidores por causa de um escândalo de espionagem telefônica que abala o império midiático do magnata Rupert Murdoch nos dois lados do Atlântico.

Brooks, 43 anos, ex-editora dos tabloides News of the World - pivô do escândalo - e Sun, tem grande proximidade com Murdoch. Ruiva, jovial e de língua ferina, ela se tornou uma personalidade pública de destaque na Grã-Bretanha.

A indignação popular com a revelação de que o News of the World havia grampeado caixas postais telefônicas de vítimas de homicídios e de outras personalidades levou Murdoch a fechar a publicação e a desistir de uma oferta de 12 bilhões de dólares para adquirir ações que ele ainda não possui da operadora de TV paga BSkyB.

Murdoch, um australiano de 80 anos que se acostumou a ser cortejado pela elite política britânica, terá um embate com o Parlamento na terça-feira, quando a comissão encarregada dos meios de comunicarão irá interrogar o magnata, seu filho James, de 38 anos, e a própria Brooks a respeito dos grampos telefônicos.

Tom Mockridge, presidente-executivo da Sky Italia, braço da News Corp para a TV paga nesse país, substituirá Brooks, que passou mais de duas décadas na empresa jornalística. Analistas devem receber positivamente o fato de o neozelandês vir da televisão, uma área em que a News Corp deseja se expandir, e não ter tido envolvimento direto na última década com a agora malvista unidade de jornais na Grã-Bretanha.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, e membros da oposição trabalhista já vinham defendendo o afastamento de Brooks. Na quinta-feira, um influente investidor saudita da News Corp também se voltou contra a executiva.

Em mensagem aos subordinados, Brooks disse: "O meu desejo de permanecer na ponte de comando fez de mim um ponto focal do debate. Isso agora está desviando a atenção de todos os nossos honestos esforços para corrigir os problemas do passado".

"Por isso eu apresentei minha demissão a Rupert e James Murdoch. Embora tenha sido objeto de discussão, desta vez a minha demissão foi aceita."

Uma semana atrás, ela havia dito à equipe do News of the World, toda ela demitida com o fechamento do jornal, que ela própria permaneceria na empresa - o que causou indignação entre muitos dos agora 200 desempregados. Alguns acusaram Murdoch de sacrificar seus empregos para salvar o dela.

(Reportagem adicional de Stefano Ambrogi, Holden Michael, Matt Falloon, Hosenball Marcos, Castelo Tim e Karolina Tagaris em Londres, Paul Thomasch, Katz Basil, Kolker Carlyn e Yinka Adegoke em Nova York)

 
Rebekah Brooks, presidente-executiva do News International, deixa o hotel Stafford, no centro de Londres. Brooks deixou seu cargo na sexta-feira, cedendo à pressão política e de investidores por causa de um escândalo de espionagem telefônica que abala o império midiático do magnata Rupert Murdoch nos dois lados do Atlântico.
10/07/2011  REUTERS/Olivia Harris/Arquivo