26 de Julho de 2011 / às 20:53 / em 6 anos

Evita ganha retrato imenso que reflete sua grandeza na Argentina

Por Luis Andrés Henao

BUENOS AIRES (Reuters) - Quase seis décadas após sua morte, a figura de Evita Perón ainda está muito presente na política argentina.

A partir da terça-feira, um enorme retrato da carismática ex-primeira-dama, com dez andares de altura, vai velar sobre a capital, em uma homenagem paga pelo governo e inspirada na famosa estátua de Che Guevara na praça da Revolução, em Havana.

A presidente Cristina Kirchner, que frequentemente evoca a memória de Evita em seus discursos, vai inaugurar -- três meses antes da eleição presidencial -- o retrato de ferro batido que recobre um lado do prédio do Ministério da Saúde.

Atriz que se casou com o falecido presidente Juan Perón, Evita é adorada por muitos argentinos por ter ajudado a conquistar o direito do voto feminino e benefícios trabalhistas para a classe trabalhadora, além de ter fundado hospitais e orfanatos.

“O objetivo desta obra de arte é render homenagem a uma mulher que lutou pela justiça social”, disse Alejandro Marmo, o artista de quem o governo de centro-esquerda de Cristina encomendou o retrato no ano passado.

“Estamos exibindo um novo ícone, assim como aconteceu com Che em Cuba”, ele disse, aludindo à imagem cult do revolucionário argentino na capital cubana.

A imagem gigante de Evita, que tem 31 metros de altura e 24 de largura, ergue-se sobre a avenida movimentada que corta o centro de Buenos Aires. Evita é mostrada em imagem glamorosa, com o coque que era seu penteado de praxe.

A inauguração do retrato, na terça-feira, assinala o 59o aniversário da morte de Evita, de câncer, aos 33 anos e no auge de sua popularidade.

“Esta obra vai lembrar aos argentinos e aos visitantes esta mulher que viveu apenas até os 33 anos, mas conquistou a imortalidade”, disse Miguel Angel de Renzis, diretor da Fundação Evita, uma entidade de caridade fundada após sua morte.

O retrato escultural adorna uma lateral do edifício de onde Evita muitas vezes discursou para multidões e onde ela decepcionou seus seguidores ao dar a entender que não se candidataria a vice de Perón em 1951.

Outra imagem, de uma Evita combativa discursando para uma multidão imensa, será colocada do outro lado do edifício e deve ser inaugurada nos próximos meses.

“A outra Evita é mais rebelde”, disse Laura Macek, historiadora do Instituto Evita Perón de Pesquisas Históricas, de Buenos Aires. “Ela não é apenas a Evita boa, a fada madrinha que dava brinquedos a nossos filhos, mas uma Evita militante, engajada com uma causa.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below