Mãe de menina assassinada diz que foi grampeada por tabloide

quinta-feira, 28 de julho de 2011 19:27 BRT
 

Por Peter Griffiths

LONDRES (Reuters) - A mãe de uma menina britânica assassinada em 2000 foi espionada por um detetive que colaborava com o extinto tabloide News of the World, disse uma entidade mantida pela mulher, em mais uma reviravolta no escândalo que abalou o império midiático do magnata Rupert Murdoch.

A Fundação Phoenix, entidade de apoio à infância criada por Sara Payne depois que a filha dela foi assassinada por um pedófilo, disse que anotações sobre ela foram encontradas em poder do detetive Glenn Mulcaire.

O News of the World usava esse caso como parte de uma campanha para que a lei britânica fosse mudada, de modo a permitir que pais soubessem o local de residência de pessoas condenadas por crimes sexuais.

"Sara está absolutamente devastada com esta notícia, todos nós estamos profundamente decepcionados e estamos apenas trabalhando para que ela supere isso", disse a fundação em nota.

Rebekah Brooks, editora do jornal na época do crime, e depois executiva da unidade de jornais de Murdoch na Grã-Bretanha, disse que o jornal bancou por 11 anos um telefone celular para Payne, mas negou ter conhecimento da espionagem.

A News International, empresa de Murdoch que publicava o News of the World, disse "levar muito a sério" a denúncia e colaborar com as investigações.

Murdoch resolveu fechar o tabloide, que tinha 168 anos de existência, depois da revelação, surgida no começo do mês, de que Mulcaire havia espionado a caixa postal telefônica de outra adolescente assassinada.

O escândalo abriu uma crise no governo e na mídia da Grã-Bretanha. Na quinta-feira, o chefe do inquérito relacionado ao caso, juiz Brian Leveson, pediu aos jornalistas que evitem o corporativismo e contribuam com a investigação.   Continuação...