Rapper Big Boi é preso por posse de drogas

segunda-feira, 8 de agosto de 2011 14:40 BRT
 

MIAMI (Reuters) - A polícia de Miami prendeu no domingo o rapper Big Boi, do grupo Outkast, por porte de ecstasy e outras drogas. Posteriormente, o advogado dele definiu a apreensão como "contrabando".

A mídia local informou que o website do Departamento Correcional do Condado de Dade, do qual Miami faz parte, mencionou o rapper -- cujo nome verdadeiro é Antwan Patton -- como estando de posse de ectasy, pó de MDMA (metilenodioximetanfetamina) e Viagra, remédio para o qual ele não tinha a receita exigida pela lei.

Segundo o diário The Miami Herald, Big Boi pode ter de responder por um quarto delito, o de posse de acessórios relacionados às drogas.

O site de celebridades TMZ.com afirmou que ele foi preso por funcionários da alfândega quando saía para um cruzeiro de barco e levado à prisão no período da tarde, mas liberado após o pagamento de fiança.

Na conta oficial do cantor no Twitter, Big Boi inicialmente enviou a frase "Livre Baby!" e, depois, "...eles disseram que era o Barco do Amor..."

Não foi possível, confirmar no domingo à noite os detalhes da prisão.

Um advogado do rapper divulgou um comunicado no qual diz esperar que Big Boi derrube as acusações. "Quando Big Boi estava viajando com seu grupo e amigos, uma pequena quantidade de contrabando foi encontrada na bagagem coletiva", disse o advogado Daniel Kane no texto. "Estou confiante de que quando todos os fatos forem divulgados Big Boi será completamente exonerado de culpa".

O Outkast foi formado nos anos 1990 por André Benjamin (que depois passou a ser conhecido como Andre 3000) e Patton (Big Boi). A dupla se caracterizava por um marcante diferencial de hip hop com influências do sul dos Estados Unidos.

Entre suas várias músicas de sucesso está a canção pop "Hey Ya", do álbum Speakerboxxx/The Love Below, de 2003.

 
Rapper e produtor Big Boi chega aos BET Awards em Los Angeles, em 2010. A polícia de Miami prendeu no domingo o rapper Big Boi, do grupo Outkast, por porte de ecstasy e outras drogas. Posteriormente, o advogado dele definiu a apreensão como "contrabando". 27/06/2011  REUTERS/Gus Ruelas