Grã-Bretanha divulga "Arquivos X" na Internet

quinta-feira, 11 de agosto de 2011 10:27 BRT
 

Por Alice Baghdjian

LONDRES (Reuters Life!) - Homens de preto, luzes brilhantes no céu e mais de 20 anos de outras visitas alienígenas e visões bizarras registradas na versão britânica dos "Arquivos X" foram disponibilizados na Internet para o público nesta quinta-feira.

Quase 9 mil páginas de documentos, desenhos, cartas e perguntas parlamentares relacionados a OVNIs e registrados pelo Ministério da Defesa britânico entre 1985 e 2007 são a oitava série de arquivos sobre OVNIs a ser divulgada pelo Arquivo Nacional britânico (www.nationalarchives.gov.uk/ufos).

Os arquivos estarão disponíveis para visualização gratuita na Internet durante um mês e incluem a história da uma mulher e sua filha no bairro de East Dulwich, em Londres, que dizem ter visto luzes em formato de minhoca, se mexendo no céu, antes de serem visitadas por dois homens em roupas espaciais e óculos escuros durante uma manhã fria de janeiro em 2003.

Os homens, carregando um transmissor que fazia barulhos de "cliques", se apresentaram como Mork e Mindy (ironicamente, o mesmo nome da série de comédia da TV norte-americana no final dos 1970 e início dos anos 1980 sobre um alienígena que vive na Terra). Os seres alertaram à mulher para não olhar para as figuras no céu por conta da possível radiação, e ofereceu lavar seus olhos com uma solução.

Depois de ser interrogada sobre seu signo astrológico, eles partiram.

Apesar de serem casos curiosos, os arquivos podem ser um golpe para teóricos da conspiração que acreditam que o governo está omitindo informações sobre visitantes extraterrestres.

"Muitas pessoas continuam acreditando que a divulgação desses arquivos é apenas uma camuflagem e que o governo está encobrindo o fato de que não estamos sozinhos no universo", disse David Clarke, consultor do Arquivo Nacional britânico e palestrante em jornalismo na Universidade de Sheffield Hallam.

"Não há nada que você possa fazer para provar o contrário -- não importa quantos arquivos são divulgados, se as pessoas não encontrarem o que querem nos arquivos, não acreditam em sua veracidade", disse.   Continuação...