Filme de Mel Gibson sobre herói judeu atrai críticas

sexta-feira, 9 de setembro de 2011 20:03 BRT
 

LOS ANGELES (Reuters) - Um filme sobre um herói judeu produzido por Mel Gibson -- ator cuja carreira ficou marcada por insultos antissemitas em 2006 -- atraiu na sexta-feira duras críticas de líderes da comunidade judaica, que viram o projeto como um tapa na cara.

A Icon Productions, de Gibson, está produzindo o filme sobre Judas Macabeu em colaboração com o estúdio Warner Bros. Não está descartado que o próprio Gibson dirija o filme. Judas Macabeu foi um guerreiro judeu cuja figura está associada à celebração do Hanukah.

"Como herói do povo judaico e um herói universal na luta pela liberdade religiosa, Judas Macabeu merece mais", disse em nota Abraham Foxman, diretor nacional nos EUA da Liga Antidifamação.

O rabino Marvin Hier, do Centro Simon Wiesenthal de Los Angeles, disse que o envolvimento de Gibson no projeto é "simplesmente um insulto aos judeus".

A Warner disse que o filme ainda está em pré-produção, que o roteiro nem foi concluído, e que não há nenhuma decisão tomada sobre que ator irá protagonizá-lo. O estúdio não quis comentar a polêmica, e um representante de Gibson limitou-se a confirmar a participação dele.

Judas Macabeu foi o filho de um sacerdote judeu que, no século 2 a.C., comandou uma guerrilha na Judeia contra os exércitos do Império Salêucida. Esse personagem histórico, cujo sobrenome em hebraico significa literalmente "O Martelo", é reverenciado por muitos judeus. O Hanukah comemora os seus triunfos.

No passado, a Liga Antidifamação também acusou Gibson de evocar antigos estereótipos contra os judeus no seu filme "A Paixão de Cristo" (2004), que faturou mais de 600 milhões de dólares nas bilheterias mundiais e foi elogiado por muitos cristãos.

Em 2006, ao ser preso por dirigir embriagado em Malibu, ele ofendeu o policial ao dizer frases como: "Os judeus são responsáveis por todas as guerras no mundo".

A prisão e esses insultos viraram notícia no mundo todo. Ele depois pediu desculpas publicamente e se submeteu a reuniões de autoajuda.

(Reportagem de Alex Dobuzinskis)