ESTREIA-"Conan, o Bárbaro" se resume a sangue e pancadaria

quinta-feira, 15 de setembro de 2011 13:37 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Conan é um homem de poucas palavras - para sorte de seu limitado intérprete, o havaiano Jason Momoa, das séries "Game of Thrones" e "Baywatch" - e de ações banhadas com muito sangue.

"Conan, o Bárbaro", que estreia nesta sexta-feira em cópias convencionais e 3D (ambas com opções dubladas e legendadas), reinventa o personagem que foi levado ao cinema no começo dos anos 1980 por Arnold Schwarzenegger, agora sob a direção de Marcus Nispel, cujo currículo inclui remakes de "Sexta-feira 13" e "O Massacre da Serra Elétrica".

De um diretor cuja filmografia pouco se pode esperar, é uma surpresa que "Conan" seja apenas sem graça - poderia ser bem pior.

A narrativa, assinada por três roteiristas, a partir do romance original de Robert E. Howard, não perde tempo com preâmbulos. O bebê Conan nasce de uma intervenção que parece ter sido uma das primeiras cesarianas da história, quando sua mãe, ferida e à beira da morte, pede ao marido (Ron Perlman) que corte seu ventre e retire o bebê, pois quer vê-lo antes de morrer.

Anos mais tarde, o garoto (Leo Howard) prova sua coragem e destreza ao matar e decapitar sozinho, um grupo de bárbaros mais bárbaros que os da sua aldeia -- pois estes são capazes de organizar frases, enquanto os outros brucutus se comunicam apenas por grunhidos. Mas quando a aldeia é dizimada, Conan (agora Momoa) cai no mundo e se torna um mercenário, em busca de vingança.

"Conan, o Bárbaro" é uma espécie de versão de "O Senhor dos Anéis" feita para ser exibida no lugar de uma luta de MMA. Tudo se resume a pancadaria e sangue. Até a deslocada cena de sexo entre Conan e uma sacerdotisa puro-sangue, Tamara (Rachel Nichols), parece uma cena de luta.

O único humor do filme vem das poucas falas declamadas com certa pompa, como se fossem grandes profecias ou algo que o valha. E procurar alguma relação entre Conan e os acontecimentos do 11 de setembro de 2001 talvez seja dar crédito demais a um filme de pancadaria. Nesse sentido, o longa de Nispel cumpre o que promete, embora não vá além disso.

(Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

 
Jason Momoa na estreia de "Conan: o Bárbaro", em Los Angeles, em agosto. Conan é um homem de poucas palavras - para sorte de seu limitado intérprete, o havaiano Jason Momoa, das séries "Game of Thrones" e "Baywatch" - e de ações banhadas com muito sangue. 11/08/2011 REUTERS/Jason Redmond