Polanski vai receber prêmio na Suíça dois anos após prisão

quinta-feira, 15 de setembro de 2011 13:19 BRT
 

ZURIQUE (Reuters) - O diretor Roman Polanski vai receber um prêmio do Festival de Cinema de Zurique que ele ganhou em 2009, quando foi preso a caminho da cerimônia por acusações relacionadas a um crime sexual cometido havia mais de 30 anos, disseram organizadores na quinta-feira.

O diretor, premiado com o Oscar e que tem dupla cidadania, francesa e polonesa, foi preso a pedido dos Estados Unidos quando voou em 26 de setembro de 2009 para a Suíça, onde deveria receber um prêmio pelo conjunto de sua obra.

A cerimônia será seguida pela estreia mundial de um filme de não ficção, mas nenhum outro detalhe será divulgado antes da exibição oficial em 27 de setembro, disseram os organizadores em um comunicado.

"Estamos especialmente orgulhosos de receber Roman Polanski este ano para receber seu prêmio", disseram os diretores Karl Spoerri e Nadja Schildknecht em um comunicado. "Sempre fomos grandes admiradores de seu trabalho e estamos satisfeitos porque logo seremos capazes de expressar isso a ele pessoalmente."

Polanski admitiu a culpa em uma relação sexual com uma menina de 13 anos depois de uma farra de champanhe e drogas. Mas ele fugiu dos Estados Unidos na véspera de receber sua sentença, em 1978, alegando que achava que o juiz o sentenciaria a 50 anos de prisão.

Sua prisão na Suíça em 2009 provocou protestos na indústria cinematográfica mundial e em círculos políticos na França, onde ele vive há muito tempo.

Polanski, de 78 anos, passou dois meses em uma prisão suíça no outono de 2009 e foi então colocado sob prisão domiciliar em seu chalé no resort suíço de Gstaad.

Em julho de 2010 as autoridades suíças disseram que não iriam extraditar o cineasta aos Estados Unidos por falhas técnicas no pedido norte-americano.

(Reportagem de Catherine Bosley)

 
Cineasta Roman Polanski na cerimônia dos Cesar Awards, em Paris, em fevereiro. Polanski vai receber um prêmio do Festival de Cinema de Zurique que ele ganhou em 2009, quando foi preso a caminho da cerimônia por acusações relacionadas a um crime sexual cometido havia mais de 30 anos, disseram organizadores na quinta-feira.
25/02/2011 REUTERS/Gonzalo Fuentes