Grateful Dead lança álbum que relembra turnê de 1972

quarta-feira, 21 de setembro de 2011 13:22 BRT
 

Por By Mike Ayers

NOVA YORK (Reuters) - O Grateful Dead revisita sua histórica turnê europeia em 1972 com o lançamento esta semana de "Europe '72 Vol. 2", que traz várias versões ao vivo de canções clássicas da banda, e de novo material.

A Reuters falou com o vocalista e guitarrista Bob Weiner sobre o álbum, e sobre como a turnê de 1972 tornou-se um momento seminal na longa carreira da banda.

P: Eu li que as faixas originais (de 1972) se perderam, mas talvez isso não tenha acontecido? Qual é a história por trás delas?

R: Elas estavam empilhadas em algum canto. Durante décadas não acho que ninguém em nossa organização tivesse alguma noção de que haveria uso para elas. Então elas não estavam na lembrança de ninguém.

P: Era raro para uma gravadora enviar uma banda para a Europa no início dos anos 70 e pedir que gravassem cada nota?

R: Foi uma decisão alcançada mutuamente. Pelo que me lembro, podemos ter tido a ideia e eles disseram que a última gravação ao vivo saiu boa o suficiente. Eles sabiam que a banda estava no sucesso naquela altura e então toparam isso. Foi uma proposta cara, tenho que dizer. Havia algum risco ali e eles têm o crédito por isso.

P: Não posso dizer que muitos grupos que surgiram naquele período de tempo tiveram o luxo ou o desejo ou o know-how para fazer algo assim.

R: Tivemos muito mais experiência com gravações ao vivo para começar. Tanto quanto posso dizer, éramos a única banda tocando em um show diferente toda noite e que tinha o repertório que nos permitia fazer isso. A Warner Bros. sabia disso. Era uma situação única e eles reconheceram isso.   Continuação...