Angelina Jolie vai assumir papel novo em crises de refugiados

terça-feira, 4 de outubro de 2011 13:48 BRT
 

GENEBRA (Reuters) - Angelina Jolie vai assumir um papel novo em crises de refugiados. O anúncio foi feito na terça-feira pela atriz norte-americana e o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).

Fontes do Acnur disseram à Reuters que o novo papel será o de Representante Especial para o problema dos refugiados afegãos.

Mas Jolie, que há dez anos é embaixadora da boa-vontade para o Acnur, se negou a dar informações mais específicas, dizendo a repórteres em Genebra: "Estamos analisando alguns países no mundo."

"Esperamos discutir a questão nas próximas semanas, mas queremos fazer uma pesquisa boa e fazer bem feita," disse ela, depois de falar em uma reunião do Comitê Executivo do Acnur.

Antonio Guterres, o Alto Comissário da ONU para Refugiados, disse na reunião que Angelina Jolie será sua "enviada especial" para situações dramáticas, "de modo a mobilizar forte apoio internacional."

Fontes do Acnur disseram à Reuters que o novo papel da atriz, que deve ser anunciado formalmente nos próximos dias, vai exigir que ela trabalhe com os governos do Afeganistão, Paquistão e Irã sobre a questão dos refugiados afegãos. Paquistão e Irã juntos abrigam 2,7 milhões de refugiados afegãos que fugiram de seu país, segundo a agência.

Na segunda-feira Jolie compareceu de surpresa à cerimônia do Acnur para homenagear um grupo de ajuda iemenita visto como responsável pelo resgate de milhares de refugiados somalis e de outros países africanos que chegam ao Iêmen todos os anos em embarcações precárias.

(Reportagem de Stephanie Nebehay)

 
A embaixadora da boa-vontade para o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) Angelina Jolie (2a à esquerda) participa de encontro anual do Acnur, em Genebra. Jolie vai assumir um papel novo em crises de refugiados. O anúncio foi feito na terça-feira pela atriz norte-americana. Fontes do Acnur disseram à Reuters que o novo papel será o de Representante Especial para o problema dos refugiados afegãos. 04/10/2011 REUTERS/Jason Tanner/UNHCR/Handout