Legado de Michael Jackson sobrevive a revelações curiosas

segunda-feira, 10 de outubro de 2011 10:54 BRT
 

Por Alex Dobuzinskis

LOS ANGELES (Reuters) - Nas últimas semanas de sua vida Michael Jackson dormia com uma boneca de brinquedo em sua cama, estava tão fortemente drogado que algumas vezes engolia palavras ao falar e sua turnê de retorno estava infestada de problemas.

Esse foi o cenário pintado sobre a vida privada do Rei do Pop nas primeiras duas semanas de julgamento do médico particular dele, o Dr. Conrad Murray.

Por mais bizarras que algumas revelações possam ser, elas podem aumentar o legado de Jackson como o gênio cuja estatura cresceu desde sua morte em junho de 2009 aos 50 anos, afirmaram especialistas em cultura pop.

O comportamento estranho, algumas vezes patético, de Jackson - amplamente esquecido no luto mundial sobre sua morte mas à mostra durante o julgamento televisionado de Murray - pode fazê-lo ser ainda mais amado por seus fãs.

"Vamos assumir, estamos interessados neste caso porque é sobre Michael Jackson", disse Bob Thompson, professor de cultura pop da Universidade Syracuse.

"Mas o fato de que ele se foi também muda consideravelmente a maneira como as pessoas percebem e embarcam emocionalmente nesse tipo de coisa. Os mortos são os pobres coitados máximos", acrescentou.

O desdobramento mais dramático no julgamento até o momento foi a gravação exibida para os jurados na qual Jackson fala quase que incoerentemente e engole suas palavras.

Promotores disseram que Murray fez a gravação após dar a Jackson um tratamento de drogas como uma ajuda para ele dormir. Examinadores médicos descobriram que a morte do cantor resultou de uma overdose do anestésico propofol combinado com sedativos.   Continuação...