Exposição do Turner Prize deixa Londres

quinta-feira, 20 de outubro de 2011 17:39 BRST
 

Por Mike Collett-White

GATESHEAD, Inglaterra (Reuters) - Na ausência de grandes atrações impactantes na exposição do Turner Prize deste ano, os organizadores esperam que a qualidade das obras à mostra seja suficiente para gerar manchetes e notícias positivas para o evento.

A premiação anual é uma das mais reconhecidas e polêmicas do mundo da arte contemporânea, despertando um acalorado debate público sobre o que é a arte.

Entre seus vencedores, está Martin Creed, cuja obra apresentada em 2001 foi um quarto vazio com luzes que se acendiam e apagavam.

Três anos antes, Chris Ofili triunfou com pinturas que incorporam esterco de elefante.

Mas o Turner também ajudou a consolidar carreiras de alguns dos principais artistas contemporâneos britânicos, incluindo Damien Hirst, que venceu em 1995, Steve McQueen (1999) e Antony Gormley (1994).

Este ano, os artistas indicados para o prêmio são Karla Black, Martin Boyce, Hilary Lloyd e George Shaw, e suas obras estão expostas na galeria Baltic em Gateshead, no norte da Inglaterra, de 21 de outubro a 8 de janeiro.

É a segunda vez na história de 27 anos do Turner Prize que ele vai para fora de Londres -- e a primeira vez que vai para uma galeria não pertencente à Tate.

Godfrey Worsdale, diretor da Baltic e membro do júri de 2011, afirmou que o tipo de indignação que acompanhava o prêmio pode ser uma coisa do passado, já que os apreciadores de arte britânicos se tornaram mais sofisticados.   Continuação...