Mineração destrói trechos da Grande Muralha da China

sexta-feira, 21 de outubro de 2011 12:30 BRST
 

Por Jimmy Guan e Tyra Dempster

Laiyuan, China (Reuters) - A Grande Muralha da China vem sendo vítima do desenvolvimento à medida que minas legais e ilegais destroem imensos blocos de colinas abaixo do marco histórico, alertam conservacionistas.

Eleita uma das Novas Sete Maravilhas do Mundo, a parede de 6.400 quilômetros se estende por 11 províncias chinesas e atrai milhões de turistas todos os anos, principalmente para as seções restauradas perto da capital, Pequim.

Mas, longe do circuito turístico, algumas partes do muro estão desmoronando.

A cerca de 200 quilômetros a sudoeste de Pequim, na zona rural do município de Laiyuan, na província de Hebei, dezenas de pequenas minas ameaçam a estabilidade do muro centenário conforme os garimpeiros cavam em busca de cobre, ferro, molibdênio e níquel, relatou a agência de notícias estatal Xinhua. Algumas minas têm escavado a 100 metros da parede.

Mas como muitas dessas minas têm autorização legal, não há nada que os conservacionistas possam fazer, disse Dong Yaohui, vice-presidente da Sociedade da Grande Muralha.

"A exploração dos recursos minerais fica sob jurisdição do Escritório de Recursos Naturais, então, se o departamento emite licenças para as empresas de mineração, elas podem legalmente extrair os recursos minerais dentro das áreas designadas no contrato", disse Dong.

"Mas neste processo, o escritório não leva em consideração a Grande Muralha como um fator, nem consulta a opinião do Departamento de Patrimônio Cultural já que não há regra que exija tal consulta. Então, isso cria a bagunça na organização."

O Escritório de Recursos Naturais de Laiyuan põe a culpa da destruição nas pequenas minas ilegais, e a agência Xinhua citou o escritório afirmando que os operadores dessas minas usam dispositivos de comunicação sofisticados para evitar a aplicação da lei.   Continuação...

 
Visitante no setor Luanling da Grande Muralha da China, no distrito de Huairou, cerca de 80 quilômetros do centro de Pequim. A Grande Muralha da China vem sendo vítima do desenvolvimento à medida que minas legais e ilegais destroem imensos blocos de colinas abaixo do marco histórico, alertam conservacionistas.
07/10/2011  REUTERS/Jason Lee