25 de Outubro de 2011 / às 22:43 / em 6 anos

Enfermeira diz que Michael Jackson pedia sonífero para dormir

Por Alex Dobuzinskis

LOS ANGELES (Reuters) - Uma enfermeira disse nesta terça-feira que Michael Jackson lhe pediu ajuda para obter o anestésico propofol e usá-lo como sonífero, e que ela não conseguiu demover o cantor de usar a droga que acabaria por causar sua morte, em 2009.

A enfermeira e nutricionista Cherilyn Lee, que trabalhava com Jackson, compareceu como testemunha de defesa no julgamento em que o médico Conrad Murray é acusado de homicídio culposo, por ter sido supostamente negligente no atendimento a Jackson.

Antes, advogados de Murray disseram que não chamariam o médico para depor, preferindo usar testemunhas como Lee para demonstrar que Jackson era dependente de medicamentos e fazia de tudo para obter o propofol.

Lee disse aos jurados que tentou dar remédios naturais para ajudar Jackson a enfrentar a insônia, mas que em abril de 2009, pouco mais de dois meses antes de morrer, ele lhe perguntou sobre o anestésico cirúrgico, e contou que era a única coisa que o fazia dormir.

"Eu sei que isso vai me derrubar, assim que entrar na minha veia eu sou derrubado e estou dormindo", disse Jackson a Lee naquela ocasião, segundo o relato dela.

Lee disse que foi então pesquisar e, descobrindo sobre os graves efeitos colaterais do propofol, alertou Jackson de que o anestésico poderia fazê-lo esquecer as letras das músicas, e que a droga só deveria ser administrada em ambiente hospitalar. Mas ele não se convenceu.

A enfermeira chorou ao relatar como Jackson respondeu aos alertas. "Ele me disse: 'Vou ficar bem, só preciso que alguém me monitore com o equipamento enquanto estou dormindo'", depôs ela.

Apesar da decisão em contrário de seus advogados, Murray ainda pode optar por depor, mas é improvável que ele faça isso. Desde o início do julgamento, a defesa tem sofrido repetidos reveses.

Na segunda-feira, o médico Allan Metzger, que durante muito tempo cuidou de Jackson, afirmou ao júri que, um dia antes de perguntar a Lee sobre o propofol, o cantor o consultou a respeito de "um sonífero intravenoso", uma possível alusão ao anestésico.

Metzger e Lee negaram que tivessem obtido o propofol para Jackson. Segundo os promotores, Murray comprou a droga em uma farmácia de Las Vegas, em abril de 2009, mesmo mês em que ele começou a trabalhar como médico particular do cantor de "Thriller."

Murray, que se diz inocente da acusação de homicídio, admite ter dado propofol a Jackson, mas seus advogados alegam que foi o próprio cantor quem causou sua própria morte, ao reforçar a dose sem que o médico soubesse.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below