Advogado de Murdoch acusou BBC de interesse em caso de grampos

quarta-feira, 26 de outubro de 2011 18:53 BRST
 

Por Mark Hosenball

LONDRES (Reuters) - Um advogado do News Group Newspapers de Rupert Murdoch acusou no início deste ano a British Broadcasting Corporation (BBC) de buscar uma investigação sobre o suposto escândalo de grampos telefônicos e de computadores para "minar" a oferta de Murdoch para adquirir a propriedade plena da emissora por satélite BSkyB.

Julian Pike, do escritório de advocacia de Londres Farrer & Co -- que também representa a rainha Elizabeth --, enviou uma série de cartas em março passado à BBC expressando preocupações do braço britânico da News Corporation de Murdoch de que a BBC poderia estar transgredido o seu compromisso com a imparcialidade por fins comerciais ou por razões políticas. A BBC negou que este era o caso.

As cartas, cujo conteúdo integral não foi previamente relatado, foram enviadas em resposta a pedidos de jornalistas do programa Panorama da BBC para o News Group pedindo comentarários a respeito do alegado esquema de grampos telefônicos e de computadores por parte de jornalistas do tabloide dominical News of the World.

Murdoch fechou o jornal em julho passado em meio a uma tempestade de acusações sobre falhas éticas e legais cometidas por seus funcionários.

O programa Panorama, intitulado "Hacks Tabloid Exposed" (Grampos de Tabloide Expostos), teve como foco o suposto papel dos jornalistas de Murdoch em empregar "artes negras" -- jargão para práticas duvidosas e potencialmente ilegais -- e em particular as alegações de fingirem ser outra pessoa, em um escândalo de grampos telefonônicos e de computadores.

Pike expôs as queixas da News Group sobre a investigação da BBC em cartas enviadas ao programa Panorama no início de março intituladas "NÃO PUBLICAR & NÃO PARA TRANSMISSÃO: ESTRITAMENTE PRIVADO E CONFIDENCIAL".

Em duas cartas, datadas de 10 e 11 de março, Pike sugeriu que a BBC poderia estar perseguindo a história dos grampos por razões comerciais ou políticas e não por motivos jornalísticos.

Pike disse que o diretor geral da BBC, Mark Thompson, tinha sido "obrigado a pedir desculpas" em novembro de 2010 por acrescentar a sua assinatura a uma carta de um grupo de empresas que eram críticas à oferta da News Corp para adquirir o saldo de ações da BSkyB.   Continuação...