Elite russa comemora reabertura do Bolshoi

sexta-feira, 28 de outubro de 2011 17:47 BRST
 

Por Nastassia Astrasheuskaya

MOSCOU (Reuters) - O Teatro Bolshoi, da Rússia, reabriu suas portas na sexta-feira após uma suntuosa reforma que demorou seis anos, custou 700 milhões de dólares e reviveu um símbolo cultural marcado por séculos de uso e abuso.

Políticos, bilionários, cineastas e estilistas da elite russa desfilaram pelo tapete vermelho levando à entrada da casa de ópera e balé que começou como um projeto da Imperatriz Catarina, a Grande, que o fundou em 1776, ano da criação dos Estados Unidos.

"O Bolshoi é uma de nossas maiores marcas nacionais, então estamos todos comemorando a abertura do prédio principal do teatro Bolshoi", disse o presidente Dmitry Medvedev, vestido de black tie, no grande palco.

Medvedev fez uma homenagem a todos os envolvidos na restauração do edifício que testemunhou os governos dos czares, a derrubada brutal deles com a revolução bolchevique, duas guerras mundiais, a ascensão do Estado soviético, o colapso do comunismo e o mais recente reaparecimento da Rússia no mundo capitalista.

"Gostaria de agradecer a todos aqueles que participaram do renascimento de nosso milagre, de nossa grande marca nacional - o Teatro Bolshoi", disse ele aos convidados. Entre eles, estavam o patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, Kirill, o ex-líder soviético Mikhail Gorbachev e a lenda do balé russo Maya Plisetskaya.

Depois, ele se sentou em um camarote com enfeites dourados onde os czares e os líderes soviéticos se sentavam para as apresentações.

Cerca de 100 músicos e cantores de ópera com chapéus laranja e branco e roupas de operários subiram ao palco, onde apresentaram a canção "Slavsya", do compositor russo do século 19 Mikhail Glinka.

Do lado de fora, guardas do Kremlin vestidos de sobretudo cinza de lá faziam um círculo ao redor do Bolshoi.

Amantes da arte russos esperam que a reabertura do Bolshoi consolide a posição de Moscou como árbitro dos clássicos.