Músicas inéditas de Amy Winehouse evocam lembranças agridoces

quinta-feira, 3 de novembro de 2011 20:14 BRST
 

LOS ANGELES (Reuters) - Duas canções inéditas de Amy Winehouse chegaram às rádios nesta semana, antecipando o lançamento de um álbum póstumo, e despertaram reações positivas dos críticos e lembranças agridoces dos fãs.

"Our Day Will Come", uma faixa com influência do reggae - na verdade um cover de um clássico de Ruby & The Romantics -, estreou nesta semana na rádio britânica BBC 1. Já "Like Smoke", em parceria com o rapper Nas, tocou na quarta-feira na Hot 97, de Nova York.

O álbum "Amy Winehouse Lioness: Hidden Treasures", deve ser lançado em dezembro, segundo anúncio feito nesta semana pelo site oficial da falecida cantora. As 12 faixas, já divulgadas, incluem versões alternativas de sucessos de Amy, como "Valerie", além de faixas inéditas.

Dan Martin, da revista New Musical Express, foi um dos cinco jornalistas convidados para uma audição secreta do álbum, no mês passado. Ele descreveu "Our Day Will Come" como "talvez mais a verdadeira Amy do que aquela que o circo nos faria recordar".

Martin disse que a colaboração de Nas em "Like Smoke" foi "uma das mais devastadoras para os nervos em todo o disco", já que o rapper foi convocado para concluir a faixa depois da morte de Amy, em julho.

Casper Llewellyn-Smith, do Guardian, que também ouviu o álbum, manifestou a preocupação de que algumas faixas antigas aproveitadas no novo trabalho não estejam à altura da cantora.

"Há certamente momentos que seu vocal numa canção soa mais como um esboço, embora ela fosse uma artista instintiva, que apreciava a mágica de capturar uma primeira versão", afirmou Llewellyn-Smith.

No Facebook e no Twitter, os fãs de Amy reagiram positivamente às duas novas faixas, qualificando-as como "maravilhosas" e "agridoces".

A cantora, que era conhecida por sua personalidade turbulenta, foi encontrada morta em julho na sua casa, em Londres, aos 27 anos, e legistas disseram que ela havia ingerido uma grande quantidade de álcool.

(Reportagem de Piya Sinha-Roy)