8 de Novembro de 2011 / às 15:30 / 6 anos atrás

Exibição de obras de Da Vinci provoca frenesi em Londres

Pintura de Leonardo da Vinci, "Portrait of Cecilia Gallerani", em exibição na Galeria Nacional de Londres. 07/11/2011Dylan Martinez

Por Mike Collett-White

LONDRES (Reuters) - George Clooney ficou para trás e Lady Gaga é coisa do passado. A nova celebridade da cidade é o artista renascentista Leonardo da Vinci, objeto de uma grande exposição na National Gallery, em Londres, que provocou o mesmo frenesi de um filme campeão de bilheteria de Hollywood.

Críticos vêm revezando superlativos para descrever a mostra "Leonardo Da Vinci: Pintor na Corte de Milão", que reúne nove dos apenas 15 ou 16 quadros conhecidos do mestre.

Não estão na exposição os mais famosos de todos - a "Mona Lisa", que fica no Louvre, em Paris, e o mural "A Última Ceia", exibido em Milão, que não podem ser movidos para outras localizações.

Mas a National Gallery ainda está confiante em que a coleção, que inclui empréstimos de todo o mundo, representa "a mais completa exibição de raras pinturas sobreviventes de Leonardo já realizada".

O curador Luke Syson, que trabalhou por cinco anos na mostra, ficou quase às lágrimas ao descrevê-la na primeira de duas prévias à imprensa nesta terça-feira, realizadas para lidar com a grande demanda da mídia.

"As pessoas têm falado sobre isso como uma oportunidade sem precedentes", disse ele.

"É uma oportunidade sem precedentes. Isso provavelmente não vai acontecer assim de novo e por isso é muito comovente, pensar que realmente podemos ser capazes de entender Leonardo melhor coletivamente."

Ele disse que a exibição, que vai de 9 de novembro a 5 de fevereiro de 2012 e deve ser um sucesso de público, tem como objetivo se concentrar em Da Vinci o pintor, e não o cientista, inventor, engenheiro, matemático ou sábio.

"Em primeiro lugar e acima de tudo Leonardo foi treinado como pintor e pensava como pintor, mesmo quando estava fazendo outras coisas. Para ele, a visão era o sentido primordial."

A mostra foi originalmente inspirada na restauração feita pela galeria da "Virgem das Rochas" e pela primeira vez as duas versões da mesma obra, pertencentes à National Gallery e ao Louvre, serão exibidas juntas.

Também está na mostra a obra "Salvator Mundi", mistério digno do livro de Dan Brown "O Código da Vinci", que apenas recentemente foi atribuída a Da Vinci, com sua autenticidade ainda sendo questionada por alguns.

Listada pela National Gallery como um trabalho original de Da Vinci, a pintura foi vendida na Sotheby's em 1958 por 45 libras, embora na época se acreditava ter sido feita por um dos alunos de Da Vinci.

De acordo com a ARTnews, o trabalho é agora propriedade de um consórcio de negociadores, incluindo Robert Simon, especialista da Old Masters, em Nova York.

A obra atualmente é avaliada por especialistas em 200 milhões de dólares. Simon disse à publicação que ela "não está à venda".

A National Gallery reuniu praticamente todas as pinturas conhecidas de Da Vinci de Milão, onde ele foi artista da corte para o governador da cidade, Ludovico Sforza, de 1482 a 1499.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below