21 de Novembro de 2011 / às 23:16 / 6 anos atrás

Dramaturga Shelagh Delaney, de "Um Gosto de Mel", morre aos 71

LONDRES (Reuters) - A dramaturga britânica Shelagh Delaney, conhecida principalmente por sua obra de estreia, "Um Gosto de Mel" (1958), morreu na noite de domingo, aos 71 anos, disse sua agente, Jane Villiers, à Reuters na segunda-feira.

Segundo Villiers, a autora morreu na casa da sua filha, no leste da Inglaterra. A imprensa britânica disse que ela sofria de câncer.

"Um Gosto de Mel" conta a história de uma jovem proletária que engravida de um marinheiro negro, para então encontrar consolo junto a um estudante de arte homossexual. A peça estreou em Londres quando a autora ainda era adolescente.

Abordando temas sociais considerados polêmicos na época, a peça foi parte do movimento literário local que ficou conhecido como "realismo da pia da cozinha". A peça teve sucesso no West End londrino antes de ser encenada na Broadway, em Nova York.

Em 1961, a obra foi adaptada para o cinema, também com sucesso, e rendeu o Bafta (equivalente britânico ao Oscar) para Delaney e para o corroteirista Tony Richardson.

A segunda peça da autora, "The Lion in Love", não atendeu às expectativas que cercaram sua estreia, em 1960, e Delaney gradualmente trocou o teatro pelo cinema e a televisão.

Em 1967, escreveu os roteiros de "The White Bus" e "Charlie Bubbles". Mas seu maior sucesso viria em 1985, com "Dançando com um Estranho", contando a história de Ruth Ellis, última mulher a ser enforcada na Grã-Bretanha, em 1955.

Delaney nasceu em Salford, Manchester, norte da Inglaterra, e ela diria mais tarde que essa região lhe deu muita inspiração.

Seu trabalho foi uma grande influência para o cantor Morrisey, da banda The Smiths, que também foi criado em Manchester. Ele usou em suas músicas trechos de obras dela, especialmente "Um Gosto de Mel", e a incluiu no encarte do seu álbum "Louder Than Bombs".

Michael Billington, crítico de teatro do jornal Guardian, disse que o grande mérito de Delaney foi abrir novos horizontes para autoras de origens humildes.

"Vista de forma objetiva, pode-se dizer que a carreira de Delaney nunca cumpriu sua promessa inicial", escreveu ele num comentário. "Mas o que ela fez foi abrir uma porta para as gerações subsequentes - e, se agora não achamos que haja nada de esquisito ou excepcional em dramaturgas deixando uma marca ainda adolescentes, ou vindas de origens proletárias, temos de agradecer a Shelagh Delaney por isso."

A autora deixa a filha, Charlotte, e os netos Max, Gable e Rosa.

Reportagem de Mike Collett-White

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below