ESTREIA-"Happy Feet 2" aposta no 3D para compensar enredo fraco

quinta-feira, 24 de novembro de 2011 11:40 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A animação "Happy Feet 2: O Pinguim" segue a mesma fórmula do filme original de 2006, no qual o protagonista Mano precisava aprender a sapatear. Aqui, é o filho dele, o pequeno Erik, que tem fobia das dancinhas do seu grupo, e é incapaz de se adequar a uma coreografia. E qual a diferença entre uma coisa e outra? Em 100 minutos de filme, que circula somente em cópias dubladas, isso não fica muito claro. A maior ambição recai sobre o visual 3D.

Esse bem-explorado visual 3D é a grande (senão a única) justificativa da existência do filme. O colorido, os detalhes da paisagem gélida da Antártida e do oceano tentam compensar a falta de imaginação da narrativa, altamente previsível. Assim, o diretor George Miller ("Babe, o porquinho") até consegue varrer para debaixo do tapete de gelo a deficiência do roteiro.

"Happy Feet 2: O Pinguim" apóia-se naquele alicerce básico que sustenta a maioria dos filmes infantis: seja você mesmo e será feliz. Nada contra essa máxima, até porque faz certo sentido. Mas bem que se poderia procurar algo mais criativo a dizer às crianças ou uma forma melhor, mais sutil, de transmitir essa mesma mensagem.

Não é apenas o pequeno Erik (Yago Machado, na versão brasileira, Ava Acres, na versão original), que descobre a si mesmo. Há também o próprio pai, Mano (Daniel de Oliveira/Elijah Wood), e o krill Will (Sérgio Stern/Brad Pitt). No fundo, o filme é uma sessão coletiva de autodescoberta e aceitação numa embalagem fofinha.

Erik e uma dupla de amigos vão atrás do pinguim latino Ramón (Guilherme Briggs/Robin Williams) e conhecem um pinguim capaz de voar. Quando um acidente ecológico deixa isolada toda a turma de pinguins imperadores, o pequenino, seus amigos e seu pai é que tentarão salvá-los. É uma trama um tanto deslocada, que aparece do meio para o final do filme para enriquecer um pouco o roteiro. Contam também com a ajuda do pinguim-guru Amoroso (Sidney Magal/Robin Williams, novamente).

A dupla de krills é o detalhe de maior graça e originalidade do longa. Talvez merecessem um filme só deles, retratando como um ser na base da cadeia alimentar se esforça para se tornar um predador assustador. A exibição em 3D, aliás, ajuda a dar uma grandiosidade à dupla, transformando os minúsculos invertebrados em seres gigantescos e interessantes.

(Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

 
Atores Elijah Wood (esq) e Robin Williams (dir), que fizeram as vozes de Muble e Ramon, na estreia de "Happy Feet 2", em Hollywood. 13/11/2011 REUTERS/Gus Ruelas