Médico de Michael Jackson é condenado a 4 anos de prisão

terça-feira, 29 de novembro de 2011 18:06 BRST
 

Por Piya Sinha-Roy

LOS ANGELES (Reuters) - O médico pessoal de Michael Jackson, Conrad Murray, foi condenado nesta terça-feira a quatro anos de prisão, sem direito a liberdade condicional, pela acusação de homicídio culposo na morte do cantor em 2009.

O juiz da Suprema Corte de Los Angeles Michael Pastor deu a Murray a sentença máxima e disse que o médico estava envolvido em uma "loucura de dinheiro por medicina que simplesmente não é aceitável para mim".

Murray, de 58 anos, vestido com um terno cinza e gravata roxa, ficou sentado sem expressar emoção durante a maior parte de sua sentença no julgamento que chamou a atenção do mundo. Pouco antes de ser levado para fora do tribunal, ele mandou beijos para uma mulher que gritou "nós amamos você".

Jackson, que surgiu para a fama no final dos anos 1960 e 70 como membro do Jackson Five e teve uma carreira solo arrebatadora na década de 1980, morreu de uma overdose de medicamentos em junho de 2009, principalmente a partir do uso do anestésico cirúrgico propofol como um auxílio para dormir. A droga era obtida e administrada a Jackson por Murray na casa alugada onde o cantor vivia.

No início deste mês, um júri condenou Murray por homicídio culposo, ou negligência grave, no tratamento de Jackson, após testemunhas médicas afirmarem que o propofol não deve ser administrado em casa e, se fosse, deveria ser dado apenas com o equipamento de monitoramento de vida adequado em mãos. Isso não aconteceu.

Murray concordou em cuidar de Jackson antes de concertos programados pelo cantor para voltar aos palcos em Londres, e tinha negociado um salário de 150.000 dólares por mês.

SEM CLEMÊNCIA

No anúncio da sentença, que foi assistida por membros da família Jackson, incluindo sua mãe Katherine e vários irmãos, o vice-procurador distrital David Walgren afirmou que Murray não deveria receber qualquer clemência em sua sentença.   Continuação...

 
O doutor Conrad Murray escuta a sentença proferida pelo juiz Michael Pastor de 4 anos de prisão pela acusação de homicídio culposo na morte de Michael Jackson, em Los Angeles, nos Estados Unidos, nesta terça-feira. 29/11/2011 REUTERS/CNN/Pool