Centenário do Titanic põe Belfast no mapa turístico

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011 17:42 BRST
 

Por Ian Graham

BELFAST (Reuters) - Outrora incluída junto com Bagdá e Beirute na lista de cidades vedadas ao turismo, Belfast se tornou um dos destinos mais procurados do mundo graças a seu passado conturbado, ao presente com grandes campos de golfe e ao iminente centenário da tragédia do Titanic.

Durante décadas de violência sectária, poucos estrangeiros visitavam a Irlanda do Norte, mas o acordo de paz entre católicos e protestantes transformou essa província do Reino Unido, fazendo com que o movimento de turistas saltasse de 400 mil em 1998, ano do acordo de paz, para 1,6 milhão neste ano.

No ano que vem, quando a cidade celebra o centenário do Titanic - construído no estaleiro Harland and Wolff, em Belfast -, as autoridades esperam um aumento de 20 por cento no turismo.

A revista National Geographic Traveller incluiu neste mês a cidade na sua lista do "Melhor do Mundo 2012", descrevendo sua ""incrível atmosfera".

"Senti que esse lugar era um tesouro que foi meio que preservado", disse o editor-chefe Keith Bellows. "Não foi pisoteado pelo turismo de pé grande, então realmente amei a sua pureza."

Há três anos, a editora de guias Lonely Planet já havia despertado o interesse internacional pela capital norte-irlandesa ao incluí-la em uma lista de dez lugares a serem visitados. O barateamento das passagens aéreas na Europa também contribui com essa "descoberta".

A cidade pretende capitalizar o centenário do Titanic com diversas atrações - de tours especiais a uma marca de cerveja. Mas a principal atração será o Titanic Belfast, uma obra de 97 milhões de libras (152 milhões de dólares), em fase de conclusão, com vista para o estaleiro onde o Titanic e seus irmãos Olympic e Britannic foram lançados.

Nove galerias interpretativas em seis andares explorarão cenas e histórias do Titanic e das pessoas que o construíram. Imagens ao vivo serão transmitidas do local onde o navio repousa, 3.800 metros sob o nível do mar, 600 quilômetros a sudeste da Terra Nova (Canadá).   Continuação...