Quase 70 jornalistas foram mortos no mundo em 2011, diz ONG

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011 09:56 BRST
 

PARIS (Reuters) - Pelo menos 66 jornalistas foram mortos no mundo todo em 2011, muitos deles ao cobrirem as revoluções árabes, a criminalidade no México e os distúrbios políticos no Paquistão, disse a ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) nesta quinta-feira.

Pelo segundo ano consecutivo, o Paquistão foi o país mais perigoso para o exercício do jornalismo, com dez profissionais mortos. No Oriente Médio, o número de jornalistas mortos dobrou neste ano, chegando a 20, e a América Latina teve um número semelhante de mortos, segundo a RSF, que tem sede em Paris.

Cerca de 1.044 jornalistas foram presos neste ano - quase o dobro do número de 2010. A quantidade se deve principalmente à Primavera Árabe, mas também a protestos nas ruas de países como Grécia, Belarus, Uganda, Chile e Estados Unidos.

"Da praça Tahrir, no Cairo, a Khuzdar, no sudoeste do Paquistão, de Mogadíscio às cidades das Filipinas, o risco de trabalhar como jornalista em épocas de instabilidade política foi salientado mais do que nunca em 2011", disse a RSF.

China, Irã e Eritréia continuam sendo os países com mais jornalistas presos, disse a ONG, sem citar números nesse quesito.

No ano passado, 57 jornalistas foram mortos no exercício da profissão. Na última década, o pior ano para a imprensa foi 2007, quando a guerra do Iraque contribuiu para um total mundial de 87 mortes.

(Reportagem de Daniel Flynn)