ESTREIA-"Alvin e os Esquilos" tem aventura em ilha quase deserta

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012 11:29 BRST
 

SÃO PAULO, 5 Jan (Reuters) - Para alegria de uma legião de fãs mirins e desespero de muitos pais arrastados para o cinema, os roedores está de volta às telas com "Alvin e os Esquilos 3", que estreia em circuito nacional apenas na versão dublada.

A trama envolve os mesmos ingredientes dos filmes anteriores. Afinal, em time que está ganhando não se mexe.

Alvin (dublado por Fabio Lucindo) e seus irmãos Simon (Wendel Bezerra) e Theodore (Rodrigo Andreatto) são uma banda de sucesso, o que proporciona uma vida de muito conforto para seu dono, Dave (Jason Lee). A ponto de poder levar para uma viagem de navio não apenas o trio como também suas amiguinhas, igualmente esquilos: Eleanor (Fernanda Bulalra), Jeanette (Tatiane Keplmair) e Brittany (Eleonora Prado).

A boa notícia é que em "Alvin e os Esquilos 3" há menos cantoria estridente - ouvidos agradecem. Já as estripulias de Alvin e sua trupe não mudam muito. Eles se apoderam do cruzeiro de luxo e o transformam em seu quintal. Até o momento em que o grupo todo - junto com Dave e o ex-empresário ganancioso Ira (David Cross) - acaba numa ilha que parecia deserta.

A entrada de Zoe (a comediante Jenny Slate) traz ao filme um humor um pouco mais adulto, sem perder de vista que este é um entretenimento-família. Isolada na ilha há vários anos, a garota é uma paródia do personagem de Tom Hanks em "Náufrago". Ao invés de uma única bola como amigo, ela tem várias, de diversos tamanhos.

Passando longe de qualquer complexidade, as peripécias são meras desculpas para Alvin e a turma de esquilos brilhar, cantar e dar algumas lições de vida para o público infantil. A desobediência e suas consequências até fazem lembrar o desenho "Fievel"- cujo público hoje tem idade para levar seus filhos ao cinema.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb