ESTREIA-Hirsch retorna no terror sci-fi "A Hora da Escuridão"

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012 13:27 BRST
 

SÃO PAULO, 12 Jan (Reuters) - Emile Hirsch (de "Natureza Selvagem") está de volta às telas, depois de passar dois anos em ações altruístas na África, em a "A Hora da Escuridão", uma ficção científica voltada ao terror, em que alienígenas invadem a Terra.

Não haveria nada fora do convencional senão fosse a mão do cineasta Timur Bekmambetov (do surpreendente "Guardiões da Noite"), que apesar de assinar apenas como produtor, fez deste filme mais uma de suas obras. "A Hora da Escuridão" circula em cópias convencionais e 3D, dubladas e legendadas.

Chris Gorak, o diretor de fato, seguiu apenas a receita passada por Bekmambetov em sua brutal e desconcertante aposta no realismo. Pode ser uma história fantasiosa, mas, na tela, não há escapatória para os protagonistas, que não são poupados dos infortúnios que a situação exige.

Tudo começa quando, em Moscou, uma chuva de objetos luminosos invade a cidade. Sean (Hirsch), Natalie (Olivia Thirlby), Ben (Max Minghella) e Anne (Rachael Taylor), assistem a novidade, ao lado da população atônita. Não demora muito para perceberem que, ao serem tocadas, essas esferas pulverizam os humanos.

Diferentemente de filmes similares, como "O Dia da Independência" (1996), a sorte dos personagens não está garantida e Bekmambetov quer mesmo que eles sofram. Escondidos e sem saber como voltar para casa, nos EUA, eles partem praticamente para uma missão suicida de regresso.

Ao ver o desfecho, no entanto, não há como negar que o cineasta nascido no Cazaquistão tenha incorporado algumas ideias hollywoodianas, como a de que o amor sempre triunfa. Mas, nas entrelinhas, Bekmambetov insinua que a sociedade está fadada ao fracasso, apesar da esperança adicionada ao final do filme.

(Por Rodrigo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

 
Emile Hirsch na estreia do filme "Aconteceu em Woodstock", do diretor Ang Lee, no Festival de Cannes, em 2009. 16/05/2009  REUTERS/Eric Gaillard