Madonna diz sentir empatia pela desprezada Wallis Simpson

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012 18:28 BRST
 

30 Jan (Reuters) - Madonna considera bastante óbvia a razão que a atraiu na história de Wallis Simpson, a divorciada norte-americana que foi vilipendiada por convencer um rei britânico a abdicar ao trono para se casar com ela na década de 1930.

Simpson é a protagonista de "W.E.", segundo filme de Madonna como diretora, que estreia na sexta-feira nos EUA.

A polêmica cantora diz que há anos é fascinada pela história de Simpson, e que ela também se sacrificou por amor, quando se casou com o cineasta Guy Ritchie e passou a morar na Inglaterra.

"Se você se muda para outro país e abre mão das suas raízes, ou quando você tem filhos -você ama seus filhos, mas você precisa sacrificar seu tempo livre, seu sono. Então acho que estamos no processo de fazer sacrifícios pelo amor diariamente se estamos em um relacionamento ou se temos filhos", disse a artista, de 53 anos, à TV Reuters.

Na década de 1930, Simpson foi desprezada pela sociedade britânica por causa do seu relacionamento com o rei Eduardo 8o, conforme narra o filme.

"Eu posso entender muitos aspectos da vida de Wallis Simpson, que as pessoas... a vejam de fora, façam julgamentos a seu respeito, tenham opiniões sobre você, escrevam coisas sobre você que são inverídicas -e não sentir que você é capaz de se defender, isso às vezes faz você se sentir indefesa", disse Madonna.

"Ela não cometeu um crime, ela se apaixonou... Ela diz no filme: 'Se você fizer isso, se nos casarmos, serei a mulher mais odiada do mundo', e ela foi... Obviamente posso me identificar com a vida dela em certos níveis. Acho que muitas pessoas que são figuras públicas têm a mesma experiência."

A crítica elogiou o caráter visual de "W.E.", mas recriminou sua falta de foco. Em janeiro, Madonna ganhou o Globo de Ouro de melhor canção original para um filme por "Masterpiece", que está na trilha de "W.E.".

(Reportagem de Alicia Powell)