Cineasta sai algemado de audiência na Câmara dos EUA

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012 19:34 BRST
 

Por Ayesha Rascoe

WASHINGTON, 1 Fev (Reuters) - O diretor de um documentário sobre os supostos riscos da produção de gás de xisto foi detido e expulso da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos durante uma audiência nesta quarta-feira, abrindo uma polêmica sobre a participação popular nesses eventos.

A Polícia do Congresso algemou Josh Fox, diretor de "Gasland", documentário indicado ao Oscar, e o retirou do plenário da Comissão de Ciências da Câmara, depois que ele se recusou a parar de filmar.

Os republicanos que controlam a comissão disseram que Fox não estava credenciado para fazer a filmagem, que era transmitida ao vivo pela Internet.

A audiência discutia um relatório preliminar da Agência de Proteção Ambiental que apontava uma possível contaminação de um aquífero de Wyoming em decorrência do chamado "fraturamento hidráulico", a técnica de perfuração mostrada no polêmico documentário de Fox.

Brad Miller, líder democrata na subcomissão de Ciência da Câmara, se opôs à expulsão de Fox do plenário, e disse que os republicanos também impediram o trabalho de cinegrafistas da ABC.

"Todas essas regras são para controlar o acesso", disse Miller, que propôs uma moção para que "todos os filhos de Deus" possam filmar a audiência.

A proposta de Miller retardou a audiência em quase 50 minutos, até que houvesse quorum para a votação.

"Gasland" ganhou notoriedade por uma cena em que a água da torneira entra em combustão. Defensores da produção do gás de xisto dizem que o filme estava repleto de imprecisões e que distorce o histórico de segurança da produção de gás de xisto no país.

A produção de gás de xisto disparou nos últimos anos graças a avanços da técnica do fraturamento hidráulico. Críticos dizem que essa tendência ameaça gravemente os mananciais e a saúde pública.