Adele encerra dúvidas após cirurgia e canta na TV dos EUA

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012 16:05 BRST
 

10 Fev (Reuters) - A voz pós-operação da cantora britânica Adele foi ouvida por espectadores da TV norte-americana nesta sexta-feira, quando ela cantou à capela uma versão impressionante de sua canção de sucesso "Rolling In The Deep."

A cantora, de 23 anos, que não se apresentava em público desde que passou por uma cirurgia nas cordas vocais, cantou três versos da música de sucesso em um trecho do perfil dela que será exibido no programa "60 minutes", durante o programa "CBS This Morning" desta sexta. Sua voz rica e cheia de alma parece estar de volta ao seu melhor.

Desde a operação na garganta no final do ano passado, o público e a indústria fonográfica estão ansiosos para saber se a voz da melhor artista britânica de 2011, cuja popularidade alcança todas as idade, está completamente recuperada.

O perfil completo no "60 minutes" será transmitido antes de Adele retornar aos palcos para sua apresentação ao vivo na premiação do Grammy, no domingo. Ela tem seis indicações, incluindo álbum e música do ano.

O repórter Anderson Cooper afirmou que ela teve de cantar à capela porque suas unhas estavam muito compridas para tocar o piano.

Ela disse ao "60 Minutes" que a primeira vez que percebeu que havia algo de errado com sua voz foi quando se apresentou ao vivo em uma rádio francesa, e "foi como se algo tivesse estourado em minha garganta".

Adele fez uma cirurgia a laser para remover um pólipo hemorrágico em suas cordas vocais em novembro passado e foi colocada sob rigoroso repouso vocal. Ela disse que a operação foi um alerta para ajudá-la a perceber os limites de sua voz.

(Por Christine Kearney)

 
A cantora Adele posa ao chegar aos 2011 MTV Video Music Awards em Los Angeles, 28 de agosto de 2011. A voz pós-operação da cantora britânica foi ouvida por espectadores da TV norte-americana nesta sexta-feira, quando ela cantou à capela uma versão impressionante de sua canção de sucesso "Rolling In The Deep." REUTERS/Danny Moloshok