Governo afegão cobra véus e menos maquiagem na TV

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012 15:47 BRST
 

Por Amie Ferris-Rotman

CABUL, 14 Fev (Reuters) - Um pedido do governo afegão para que as apresentadoras de televisão usassem véus na cabeça e evitassem maquiagem pesada enfureceu os jornalistas nesta terça-feira, que consideraram a medida uma prova de que as autoridades esperam que o Taliban recupere uma parcela do poder.

Autoridades afegãs e norte-americanas estão buscando negociações de paz com o grupo islamista derrubado do poder há mais de uma década com o intuito de manter a estabilidade depois que as tropas estrangeiras deixarem o país, mas as conversas estão em um estado muito frágil.

Em uma carta distribuída à mídia, o Ministério da Cultura e Informação disse ter recebido reclamações de membros do Parlamento e de famílias de que as apresentadoras de programas de notícias não estavam observando a ética islâmica e cultural.

"Todas as apresentadoras de notícias devem evitar maquiagem pesada e usar um véu", disse o ministro Sayed Makhdoom Rahin à Reuters por telefone, acrescentando que isso se aplicava às emissoras de televisão privadas e estatais.

O pedido do ministério foi uma surpresa para parte da mídia afegã. Todas as âncoras dos programas apareceram com suas cabeças cobertas, o que provocou rumores de que a diretiva visava impressionar o Taliban, fazendo concessões a suas posições ultraconservadoras.

"Já que estamos no início de conversas sérias de paz e reconciliação, o governo quer mostrar que é como o Taliban", disse Zarghoona Roshan, que durante 10 anos foi jornalista de rádio antes de entrar para o grupo de mídia Nai.

"O próprio pedido é inútil", disse Roshan, ajustando seu véu negro e cinza. A Nai, que também rastreia as infrações da mídia, estima que existam cerca de 120 apresentadoras de televisão no país.

O diretor-executivo da Nai, Abdul Mujeeb Khalvatgar, disse que o governo exerceu pressão ao longo de todo o ano passado para limitar o conteúdo e "manter o público longe dos fatos de que precisam".   Continuação...

 
Mulher e crianças esperam por transportes enquanto neva em Cabul, 22 de janeiro de 2012. REUTERS/Ahmad Masood