Com eficiência de campeã, Beija-Flor revive carro de Joãosinho

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012 09:21 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 20 fev (Reuters) - A Beija-Flor honrou o título de campeã ao passar pela Sapucaí na madrugada de segunda-feira, com um tributo a São Luís do Maranhão e uma homenagem a Joãosinho Trinta, que morreu em dezembro do ano passado. A escola de Nilópolis reeditou, com desfecho inesperado, uma polêmica alegoria que o carnavalesco criou em 1989.

A azul e branca, campeã do Carnaval carioca em 2011, representou na avenida a cobiça de França, Holanda e Portugal pelas terras maranhenses, a angústia dos escravos trazidos da África para São Luís, o folclore, a famosa festa do Bumba-Meu-Boi e seus filhos ilustres, como Joãosinho.

Para o carnavalesco Laíla, a escola fez um grande desfile. "É o que todo mundo está falando, agora é esperar o resultado", afirmou. "Para mim, é muito bom saber que a gente está no páreo, disputando o título", acrescentou ao deixar a avenida.

Laíla admitiu que tinha preocupação em terminar o desfile no tempo regulamentar, por causa do tamanho da escola, que veio com 50 alas e 7 carros.

O acabamento e eficiência das fantasias e alegorias, uma marca da escola, estiveram presentes do início ao fim do desfile, além da sinergia dos integrantes com o samba-enrodo. A escola, no entanto, não saiu da Sapucaí celebrada pelo público com o grito ‘'é campeã", como em outros Carnavais.

As homenagens a Joãosinho Trinta fecharam o desfile da escola de Nilópolis. No carro alegórico que encerrou o desfile representando São Luís, um trono vazio foi destinado ao carnavalesco e foi feita uma releitura do polêmico "Cristo Mendigo" de 1989. Na época, Joãosinho foi proibido de representar Cristo no carro e o trouxe coberto.

Uma escultura que entrou na avenida também coberta por um plastico preto, lembrando o episódio do passado, desta vez era a imagem do carnavalesco.

De braços abertos, numa posição característica de suas passagens pela avenida, ele estava no meio dos mendigos tambem do enredo "Ratos e Urubus", o vice-campeão daquele ano. Atrás do carro, uma faixa de agradecimento: "Valeu João, Valeu."

"Nós pensávamos prestar essa homenagem a ele com vida. Infelizmente, ele fez a passagem e aí a gente resolveu trazer o Cristo mendigo e acredito que tenha sido bem representado", afirmou Laíla.

Para o puxador Neguinho da Beija-Flor, se estivesse vivo, Joãosinho se faria presente no desfile da escola. "Tenho certeza que espiritualmente (Joãosinho) está conosco", afirmou. Joãosinho liderou os títulos da Beja-Flor em 1976, 1977, 1978, 1980 e 1983, período em que revolucionou o Carnaval carioca, na opinião de críticos.

(Por Maria Pia Palermo, com reportagem de Pedro Fonseca)

 
Carnavalesco Joãosinho Trinta, que morreu em 2011, é homenageado no desfile da Beija-Flor no sambódromo do Rio de Janeiro. 20/02/2012 REUTERS/Ricardo Moraes