February 21, 2012 / 8:48 AM / in 5 years

Paulo Barros repete fórmula de show em homenagem a Luiz Gonzaga

3 Min, DE LEITURA

Carro alegórico da Unidos da Tijuca, escola do carnavalesco Paulo Barros, na segunda noite de desfiles do Grupo Especial do Carnaval do Rio. 21/02/2012Nacho Doce

RIO DE JANEIRO, 21 fev (Reuters) - O rei do baião, Luiz Gonzaga, foi festejado na Sapucaí, em mais espetáculo preparado pelo carnavalesco Paulo Barros, da Unidos da Tijuca, para o público do sambódromo.

A escola, campeã em 2010 com o enredo "É Segredo", decidiu coroar o popular rei do baião com uma viagem pelo Nordeste do autor de "Asa Branca", nascido no sertão pernambucano e que completaria 100 anos em 2012.

Acostumado a escolher os temas de seus enredos, normalmente abstratos, o carnavalesco desta vez teve que criar o desfile sobre um tema determinado pela escola, mas encontrou ideias criativas para retratar o mundo de "Gonzagão".

"As coisas fluem. A partir do momento que o enredo chegou as imagens começam a surgir. É logico que quando eu tenho uma ideia própria isso vem com mais rapidez, talvez tenha demorado um pouco mais", disse.

A primeira homenagem, já na comissão de frente, foi para o instrumento que o acompanhava e ganhou vida, ao abrir-se e transformar-se em uma espécie de tubo, feito com um pano de onde os integrantes entravam e saíam.

O carnavalesco, famoso por inovar e criar "efeitos especiais" na avenida, disse que o fato de os integrantes saírem de dentro da sanfona significa "a alma do instrumento e também uma forma de representar o movimento que a própria sanfona faz". O artista que fez a performance sobre o palco é um romeno, cuja apresentação Barros viu há dois anos em Orlando.

"A gente preparou um trabalho baseado em coisas inéditas dentro da Sapucaí, que não tem nada a ver dessa vez com ilusionismo. É simplesmente a técnica de utilização de objetos", afirmou.

Convidados ilustres desembarcaram num aeroporto no carro abra-alas para a cerimônia de coroação do cantor e compositor. Desciam da alegoria e passeavam pela avenida, cumprimentando o público. Entre eles, o rei do futebol, Pelé, a rainha da Inglaterra, o rei do pop Michael Jackson, Elvis Presley e outros nobres. Em outro carro, mais distante, Barros colocou os mesmos reis montados em jegues.

O cangaceiro Lampião, temido no sertão nortestino, veio ao lado de Maria Bonita como mestre-sala e ela, porta-bandeira.

A mesma inovação da abertura foi vista nos carros alegóricos. Um deles, chamado "Do barro se fez a vida", prestou homenagem ao mestre Vitalino, que retratou a vida no agreste nordestino em famosas esculturas de cerâmica.

O traje típico da região, cujo chapéu de cangaceiro o músico não dispensava, foi tema de inúmeras fantasias. Artesanato e pratos locais ,como o baião de dois, foram temas de algumas alas, assim como o mandacaru, cactus típico da caatinga.

Rosinha Gonzaga, filha do homenageado que participou do desfile, comemorou. "Quero agradecer ao meu pai. Poucos filhos têm a oportunidade de ver uma homenagem dessas", disse a jornalistas.

Por Maria Pia Palermo e Pedro Fonseca

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below