Obra perdida de Leonardo da Vinci pode ter sido encontrada

segunda-feira, 12 de março de 2012 15:34 BRT
 

Por Philip Pullella

FLORENÇA, Itália, 12 Mar (Reuters) - Cientistas e pesquisadores da área de artes afirmaram nesta segunda-feira que um afresco do mestre renascentista Leonardo da Vinci perdido há cinco séculos talvez ainda exista por trás de uma parede da prefeitura de Florença. O responsável pela descoberta é um projeto de alta tecnologia que usa minúsculas sondas de vídeo.

"Com historiadores da arte e cientistas combinando evidência histórica e tecnologia, essa equipe de pesquisa solucionou um mistério de mais de 500 anos", afirmou Terry Garcia, vice-presidente da National Geographic Society, dos Estados Unidos, que financiou a pesquisa.

O projeto para encontrar o que ficou conhecido como o "Leonardo Perdido" é polêmico, em parte porque os pesquisadores tiveram de abrir diversos orifícios em uma obra existente e porque nem todos concordam que o afresco de Leonardo ainda esteja ali.

No início do século 16, os líderes de Florença encomendaram a Leonardo, então no auge da carreira, um enorme afresco celebrando a vitória da República de Florença sobre a milanesa em uma batalha ocorrida nas planícies de Anghiari em 29 de junho de 1440.

Leonardo, que considerava a guerra uma "loucura bestial", retratou um grupo de cavalos e cavaleiros em uma luta furiosa.

Ele abandonou o projeto um ano depois de começar, provavelmente porque uma nova técnica experimental para afrescos fracassou. Mas permanecem alguns de seus estudos preparatórios, assim como cópias de outros artistas do afresco original.

Todos os traços da obra original foram perdidos 50 anos depois, quando Giorgio Vasari restaurou a grande Sala dei Cinquecento, no Palazzo Vecchio de Florença, e recebeu a ordem de pintar um novo afresco, "A Batalha de Marciano", para acomodar as paredes mais altas.

Alguns acreditam que Vasari, que não queria destruir a obra de Leonardo, teria construído uma nova parede com um espaço de alguns centímetros na frente da de Leonardo para preservar o que restava.

Os pesquisadores usaram minúsculas sondas, como as usadas por médicos nas endoscopias, e outras ferramentas de alta tecnologia, e as inseriram nas fendas existentes na parede externa que segura o afresco de Vasari e pegaram mostras de substâncias.