15 de Março de 2012 / às 15:03 / em 6 anos

ESTREIA-Filme traz treinamento de Anderson Silva para luta

SÃO PAULO, 15 Mar (Reuters) - Quem não conhece o famoso Anderson Silva -segundo a Wikipedia, paulistano, nascido em 1975, atual campeão mundial peso médio (até 84 quilos) do Ultimate Fighting Championship- vai continuar sabendo pouco sobre ele depois do documentário “Anderson Silva - Como Água”, do norte-americano criado na Venezuela Pablo Croce. O longa chega às salas de todo o país nesta sexta-feira.

No filme, o documentarista faz uma opção de abordagem bastante clara: acompanha o treinamento do esportista nos Estados Unidos nos meses que antecedem a mais importante luta de sua carreira -em defesa do cinturão, contra o norte-americano Chael Sonners, em agosto de 2010.

Acompanha-se o preparo físico de Silva, que o faz pela primeira vez fora do Brasil e longe de sua família, e as provocações do adversário, que faz comentários mesquinhos sobre o brasileiro, seu país e até sua camisa cor-de-rosa.

Mas quem é Anderson Silva? Quem é o homem quando não está exercendo a função de lutador de herói nacional? Bem, a resposta não está em “Como Água”, que, apesar de correto, desperdiça o potencial carismático de seu protagonista.

Ninguém pede uma cinebiografia extensiva, que comece com o nascimento, depois infância, adolescência, dificuldades na vida e triunfo. Mas um pouco mais de informações sobre o lutador não fariam mal algum.

Sabe-se que ele é casado -o filme mostra-o com a mulher, e ele mesmo comenta que ela é quem escolhe sua camisa rosa- e que tem filhos. Vemos a família numa cena, sentada em frente à televisão na casa chique onde moram.

Mas como Anderson chegou até lá? Qual o motivo de apenas se concentrar na preparação para o embate que, aliás, na forma como está montado o filme tem pouca tensão e emoção? Mesmo que a luta tivesse sido assim quando aconteceu, o que é pouco provável, seria possível valorizá-la bem mais na montagem do filme.

O Anderson Silva mostrado por Croce não tem o mesmo carisma e bom humor que o verdadeiro lutador, como é possível constatar em entrevistas, por exemplo. Na vida real, ele é sagaz, engraçado, tem tiradas inteligentes e rápidas.

Em “Como Água” não há nada disso. O que se vê na tela é um lutador sério, de poucas palavras, que parece estar sempre de mau humor.

O filme sequer dá chance a ele de responder às provocações de Sonners, ou mesmo de seu próprio empresário, também norte-americano, que diz concordar com o que o seu conterrâneo disse sobre o Brasil: “Se você abaixar a cabeça para fazer uma reverência no Brasil, leva um tapa e roubam sua carteira”.

O que sobra é o que podemos depreender do filme. A história de Anderson é cheia de lutas -em mais de um sentido. Mas para se saber quais são elas, é preciso recorrer a outros meios. Ele é um herói nacional, disso não há dúvidas, mas o que faz dele esse herói? O que pensa ele?

Em quesitos como esse, “Como Água” não entra. No fundo, o documentário é um filme para quem quer ver apenas pancadaria num ringue. O que talvez não faça justiça ao atleta, que, na soma das partes, é bem maior do que aquele que está batendo e apanhando.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below