Poeta feminista Adrienne Rich morre aos 82 anos nos EUA

quinta-feira, 29 de março de 2012 09:39 BRT
 

Por Steve Gorman

LOS ANGELES, 29 Mar (Reuters) - A poeta e ensaísta Adrienne Rich, figura da literatura feminista celebrada tanto por suas reflexões profundamente pessoais sobre sua vida quanto por comentários sociais mordazes, morreu aos 82 anos, disseram familiares na quarta-feira.

Adrienne, que recebeu diversas honras, incluindo o Ruth Lilly Poetry Prize e National Book Award, pela obra que abrange sete décadas e é uma das mais reunidas em coleção do século 20, morreu na terça-feira em sua casa em Santa Cruz, na Califórnia, afirmou a nora Diana Horowitz.

Diana disse que Adrienne não resistiu a complicações de uma artrite reumatoide, doença da qual sofria há anos.

A poeta, que viveu e escreveu abertamente como lésbica pela maior parte de sua vida adulta, começando em uma era em que a homossexualidade era amplamente condenada na sociedade norte-americana, tornou-se pioneira na luta pelos direitos das mulheres e de outras minorias.

"Ela realizou em verso o que Betty Friedan, autora de 'A Mística Feminina', fez na prosa", escreveu Margalit Fox sobre o bardo da pioneira feminista no obituário do The New York Times.

O site da Poetry Foundation chamou-a de "uma das principais intelectuais públicas dos EUA".

Nascida em Baltimore, em 1929, seu pai era um renomado patologista e professor da John Hopkins. Sua mãe era pianista.

Ela se formou na Radcliff University e se casou com um professor de economia de Harvard, Alfred Conrad, em 1953, com quem teve três filhos. Seu marido morreu em 1970 e seis anos mais tarde ela foi morar junto com sua parceira Michelle Cliff.