ENTREVISTA--Martin Scorsese fala sobre a passagem do tempo

quarta-feira, 11 de abril de 2012 16:20 BRT
 

Por Christine Kearney

NOVA YORK, 11 Abr (Reuters) - A passagem do tempo parece estar na cabeça de Martin Scorsese. Depois do sucesso de crítica do filme "A Invenção de Hugo Cabret", o diretor diz que todos os seus próximos filmes serão em 3D. Chegando perto dos 70 anos, porém, ele está mais preocupado em aperfeiçoar o seu registro da vida americana do que com a tecnologia.

Scorsese falou à Reuters durante uma nova campanha de publicidade para o Hennessy Cognac (uma das diversas marcas que promove) sobre sua longa carreira, sobre a sua relação com os atores e sobre a produção de filmes.

P: Nos últimos tempos, você ganhou a reputação de ser uma das pessoas mais acessíveis de Hollywood.

R: Bem, sou um nova-iorquino. Sou um "Manhattanite" , devo dizer. Mas, acho que ao longo dos anos, quis ser gigante e egotista; é isso que faço no trabalho e tenho de pensar dessa forma às vezes. Eu me preparo psicologicamente e emocionalmente dessa forma e, ao longo dos anos, tenho 69, posso ter exagerado. Descobri que isso não era muito produtivo para ninguém. Aí você recua.

P: Por que você ainda está motivado a fazer o que faz?

R: Não estou satisfeito com o trabalho. Não sei.

P: Algumas pessoas poderão achar isso inacreditável, vindo de você.

R: Sei que, se fui inspirado por 2.280 filmes ou seja lá o que for no passado, nunca serei capaz de equiparar esse sentimento de transcendência que tive, por vezes, de assistir a alguns filmes, talvez assistindo a esses filmes 20 ou 30 vezes, cada um. Assim, talvez eu nunca estarei nessa liga com os meus próprios filmes, para mim. Talvez por isso eu esteja tentando.   Continuação...