ESTREIA-"Vingadores" reúne super-heróis em muita pancadaria

quinta-feira, 26 de abril de 2012 11:19 BRT
 

SÃO PAULO, 26 Abr (Reuters) - Depois do sucesso dos filmes individuais dos super-herois da Marvel, sua esperada reunião em "Os Vingadores - The Avengers", de Joss Whedon, acumula todas as boas e más notícias que se pode esperar de um evento do gênero. O filme circula em cópias convencionais, 3D e Imax, em versões dubladas e legendadas.

Com um orçamento estimado em US$ 220 milhões, não houve economia de efeitos especiais, que pululam na tela para justificar o encontro de Thor (Chris Hemsworth), Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), o Incrível Hulk (Mark Ruffalo) e Capitão América (Chris Evans). Ao quarteto de superpoderosos une-se uma alentada dupla de agentes, Natasha Romanoff, mais conhecida como Viúva Negra (Scarlett Johansson), e Clint Barton, ou Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), sob o comando do chefe da S.H.I.E.L.D., a agência que procura proteger nosso mundo, Nick Fury (Samuel L. Jackson).

Para que um time respeitabilíssimo como esse se reunisse, o perigo teria que ser enorme. Do lado de lá, o vilão no comando é Loki (Tom Hiddleston), o irmão adotivo de Thor que caiu em desgraça em Asgard, aliou-se aos rivais, e agora vem apoderar-se de uma temível fonte de energia que estava sob o controle da S.H.I.E.L.D., a Tesseract.

Logo de cara, o estrago é imenso. Loki rouba a Tesseract e ainda passa a controlar a mente tanto do Gavião Arqueiro quanto do cientista Selvig (Stellan Skarsgard), levando-os com ele. Ninguém é páreo para os poderes de Loki e sua temível lança de luz azul.

O filme de Joss Whedon (que dirigiu também "Thor" e é autor do roteiro) se sai melhor quando distrai o público de seu clima predominantemente brucutu e se dedica ao humor, explorando as rivalidades entre os heróis, que a princípio não coordenam bem suas diferenças. O Homem de Ferro incomoda todo mundo - Thor sai no braço com ele, o Capitão América não entende suas piadinhas. Aliás, as melhores falas irônicas estão sempre na boca do herói divertido, que descreve o figurino de Loki como "Shakespeare no Parque".

Hulk custa a aparecer, porque seu alter ego, o dr. Banner, que foi encontrado escondido na Índia pela eficiente Natasha, exerce seu auto-controle com muita precisão. Mas, quando o grandão verde finalmente dá as caras, protagoniza duas das melhores sequências de humor. Como se pode esperar, nenhuma delas muito delicada.

O frenesi de efeitos especiais distribui-se ao longo do filme, em batalhas aéreas e particularmente na longa sequência final, que mostra o perigo chegando através de um portal aberto entre dois mundos.

É uma sequência exaustiva, num filme já bem longo (2h22), em que, mais uma vez, Nova York sofre os impactos da alta destruição, com direito a prédios desmoronando, cidadãos em fuga e veículos aéreos de todo tipo circulando entre os arranha-ceus.

O vilão Loki, interpretado com carisma e perversidade contida pelo britânico Tom Hiddleston, sustenta o duelo com o time superpovoado de heróis. O mesmo não se diga de seus aliados digitais, um amplo desfile de malvados sintéticos feiosos e sem individualidade, que se multiplicam na tela como insetos e como eles são eliminados a seguir.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb