Mostra em NY reavalia importância de obra do francês Vuillard

quarta-feira, 2 de maio de 2012 14:28 BRT
 

Por Ellen Freilich

NOVA YORK, 2 Mai (Reuters) - Uma nova exposição, a primeira grande mostra em Nova York das obras de Edouard Vuillard em mais de 20 anos, revela a vida do artista francês e reavalia o significado de sua obra no século 20.

"Edouard Vuillard, um Pintor e suas Musas, 1890-1940", que será exibida no Museu Judaico de 4 de maio até 23 de setembro, inclui 50 pinturas importantes, além de gravuras, fotografias e documentos.

Um quarto das pinturas nunca foi exibido publicamente na América antes.

A carreira artística de Vuillard começou na chamada Belle Époque, de 1890 até o fim da Primeira Guerra Mundial, e terminou com a ocupação alemã da França. Seu foco era a observação precisa da sociedade.

"Esta é uma daquelas mostras que tem pontos de interesse para um público amplo. A pessoa realmente não consegue entender a França na primeira metade do século 20 sem ter algum conhecimento do retrato de Vuillard", disse Stephen Brown, curador assistente do Museu Judaico.

Brown afirmou que havia também um enorme interesse em Vuillard como parte de uma reavaliação mais abrangente de como as pessoas pensam o século 20 e a arte.

Vuillard é mais conhecido pelas pinturas e gravuras que fez na última década dos anos 1800, quando fez parte de um grupo vanguardista de artistas, conhecidos como Nabis, que significa profetas em hebraico ou iluminados em árabe.

Duas obras na exposição de seu período Nabi são "Mulher em um Vestido Listrado, do Álbum", feita em 1895, e "Misia e Vallotton em Villeneuve", concluída quatro anos mais tarde.

Brown disse que o trabalho de Vuillard depois de 1900 foi frequentemente visto como um recuo ao conservadorismo. Apesar de ter trabalhado durante um período marcado pelo Impressionismo, o Cubismo, o Expressionismo e a Abstrativismo, o artista permaneceu comprometido com as técnicas e temas de sua juventude.