Governo britânico quer status especial em investigação da mídia

sexta-feira, 4 de maio de 2012 10:28 BRT
 

LONDRES, 4 Mai (Reuters) - O governo britânico vai solicitar nesta sexta-feira acesso antecipado a provas apresentadas num inquérito judicial sobre as práticas jornalísticas no país, num reconhecimento de como essas audiências estão afetando a reputação de vários políticos influentes.

Na qualidade de "participante central" do chamado Inquérito Leveson, o governo terá acesso às provas antes da sua apresentação no plenário, poderá solicitar que documentos sejam editados e terá o direito de interrogar testemunhas por intermédio do tribunal. O pedido será respondido nesta sexta-feira à tarde.

A investigação, solicitada a contragosto pelo governo por causa do escândalo de espionagem protagonizado por jornalistas do extinto tabloide News of the World, já causou constrangimento a pelo menos um ministro e deixou na defensiva o poderoso empresário da mídia Rupert Murdoch.

A próxima semana deve ser agitada na investigação, com depoimentos de dois ex-editores do News of the World para discutir sua amizade com o primeiro-ministro David Cameron.

Murdoch e seu filho James depuseram durante três dias na semana passada; Cameron e seus antecessores Tony Blair e Gordon Brown devem comparecer nas próximas semanas.

IMPRENSA E POLÍTICOS

A investigação aborda não só o comportamento dos jornalistas como também as relações muitas vezes promíscuas entre imprensa, políticos e polícia no Reino Unido. No seu depoimento, Cameron terá de explicar sua amizade com Rebekah Brooks, ex-executiva do grupo de Murdoch, que por sua vez irá depor na sexta-feira da semana que vem para falar sobre seus contatos com políticos na época em que editava o News of the World e o Sun, outro tabloide pertencente a Murdoch.

Cameron também será questionado sobre ter nomeado como seu porta-voz Andy Coulson, ex-editor do News of the World, que depõe na quinta-feira que vem.

Um dos momentos de maior repercussão no inquérito até agora foi a divulgação de emails entre James Murdoch e seu principal lobista em Londres, revelando que um assessor ministerial havia repetidamente tentado ajudar o grupo News Corp. na sua polêmica tentativa de comprar a operadora de TV BSkyB por 12 bilhões de dólares.

A revelação levou à demissão do assessor, e a oposição pediu que o próprio ministro envolvido renunciasse.

(Reportagem de Kate Holton)