DJ belga quebra recorde em maratona de programa de rádio

terça-feira, 19 de junho de 2012 15:34 BRT
 

BRUXELAS, 19 Jun (Reuters) - Quase desmaiando e com a cabeça avoada, um DJ de uma rádio belga estabeleceu um novo recorde mundial para a mais longa apresentação de um programa de rádio, que se estendeu ao longo de oito dias e sete noites.

"É ótimo, mas agora só consigo pensar em uma coisa - dormir, dormir, dormir", disse Peter Van de Veire no final de sua jornada de 185 horas na estação de rádio MNM na noite de segunda-feira.

Van de Veire, 40, desafiou-se a quebrar o recorde para mostrar o apoio aos alunos estudando para seus exames. A estação voltada para os jovens colocou no ar apresentações ao vivo e terminou com perguntas sobre verbos latinos e ciência.

Entre as faixas de Robbie Williams e do vencedor do Festival de Música Eurovision Loreen, Van Veire e sua equipe comemoraram a definição de um novo recorde de 184 horas antes do novo detentor do recorde anunciar que faria mais uma hora.

"Mas eu não faço outra noite, eu não faço", disse ele aos ouvintes.

A MNM pediu ao Guinness World Records para confirmar a conquista.

Na última hora, o recordista anterior, o italiano Stefano Venneri, ofereceu os seus parabéns ao vivo. Venneri durou 183 horas no ar em maio de 2009, um mês depois de ter também estabelecido um recorde para o maior set de rádio de um DJ tocado de cabeça para baixo -- 15 minutos e 25 segundos.

O recorde de Van Veire exigiu planejamento rigoroso e atenção aos detalhes para assegurar que ele ficaria dentro das regras.

"Você certamente precisa de perseverança, mas há outras coisas também, uma boa supervisão médica e uma boa dieta", disse ele nos estúdios da emissora em língua holandesa.

As regras eram realmente rigorosas. Van de Veire tinha permissão para uma pausa de cinco minutos a cada hora, incluindo idas ao banheiro, mas podia acumular esses minutos. A ida ao banheiro foi sua primeira prioridade após o término do programa com "Should I Stay or Should I Go", do The Clash.

(Reportagem de Philip Blenkinsop)