5 de Julho de 2012 / às 14:48 / 5 anos atrás

ESTREIA-Diretora Julia Murat explora choque entre campo e cidade

SÃO PAULO, 5 Jul (Reuters) - A dicotomia campo e cidade nunca se materializa em "Histórias que Só Existem Quando Lembradas", mas está sempre presente nas entrelinhas desse drama nacional.

Estreia na ficção da diretora Julia Murat, o filme começou sua carreira numa mostra paralela no Festival de Veneza do ano passado, e desde então passou por diversas mostras pelo mundo. Ganhou prêmios como o de público no Festival de Cinema Brasileiro de Paris, prêmio ecumênico no Festival de Cartagena e melhor filme no Festival de Abu Dhabi.

O embate entre passado e presente materializa-se na questão da memória, já apontada pelo título. As histórias, quando deixam de ser contadas, deixam de existir. A trama, assinada por Julia, Maria Clara Escobar e Felipe Sholl, começa estabelecendo um padrão de existência para os personagens.

Como na música de Chico Buarque, todo dia a protagonista faz tudo sempre igual. Madalena (Sonia Guedes) prepara o pão que será vendido no armazém de Antonio (Luiz Serra), que faz o café para eles dois.

No vilarejo onde moram, o cemitério está fechado, pois, há anos, ninguém morre. Assim como a linha do trem que não cumpre sua função, uma vez que nem cargueiro atravessa o lugar.

O tempo parece estancado e temos dúvida sobre qual tempo é esse. Até a chegada de uma forasteira, Rita (Lisa E. Fávero), jovem que aluga um quarto na casa de Madalena.

Como é típico em narrativas sobre campo e cidade, ela é uma estranha que chega para acabar com a harmonia tácita do lugar. A moça gosta de fotografar -- tem uma câmera moderna, mas também usa métodos arcaicos, revelando fotos num latão.

Essa ruptura trará consequências e conflito, tanto para os moradores quanto para Rita. O elemento estranho não consegue se impor, talvez nem tenha esse interesse e, por fim, acaba assimilando e sendo assimilada pelos costumes locais.

No duelo entre progresso e tradição, nem sempre um dos dois sai ganhando. O melhor resultado é aquele capaz de somar, ao invés de excluir.

Júlia, que é filha da cineasta Lucia Murat ("Uma Longa Viagem"), tem bom trato com atores e deixa Sonia Guedes dominar a cena.

Porém, às vezes, o filme se mostra estetizado demais, muito meditado para ter imagens bonitas, e estas parecem mais a causa da existência do longa - e não a consequência, como deveria ser.

Tal qual a chegada de Rita, "Histórias que Só Existem Quando Lembradas" é um filme que causa estranhamentos. Pena que, boa parte do tempo, eles sejam tão claramente premeditados.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below