Corte chinesa mantém multa tributária a dissidente Ai Weiwei

sexta-feira, 20 de julho de 2012 10:47 BRT
 

Por Sui-Lee Wee

PEQUIM, 20 Jul (Reuters) - Um tribunal chinês manteve nesta sexta-feira a multa de 2,4 milhões de dólares por evasão tributária imposta ao mais famoso dissidente do país, Ai Weiwei, que foi proibido de assistir à audiência. Críticos acusam o governo chinês de usar esse processo para calar o polêmico artista.

Ai havia solicitado à Corte Distrital de Chaoyang que anulasse a multa imposta à produtora Beijing Fake Cultural Develoment, para a qual ele trabalha.

O artista, que já havia declarado não ter "esperança absolutamente nenhuma" de vencer o recurso, disse que a polícia o impediu de comparecer à audiência.

"O veredicto de hoje mostra que este país, mais de 60 anos após sua fundação (como regime comunista), ainda não tem um processo judicial básico, ainda não tem respeito pela verdade, e nunca dará aos contribuintes e cidadãos a capacidade de se justificarem", disse Ai.

"Todo o Judiciário está envolto em escuridão", disse o artista a jornalistas na sua casa, na zona nordeste da capital, após o veredicto.

Ele disse ainda que vai recorrer a uma instância superior para processar o tribunal de Chaoyang, num sinal de que continuará sendo uma pedra no sapato do governo.

(Reportagem adicional de Ben Blanchard e Michael Martina)

 
Artista dissidente da China, Ai Weiwei, mostra comprovantes do acordo de obrigações fiscais que firmou com o governo chinês em novembro de 2011. O artista pagou, na época, o equivalente a 8,45 milhões de iuans (1,3 milhões de dólares), a fim de arquivar as acusações de evasão fiscal. Nesta sexta-feira, um tribunal chinês manteve a multa de 2,4 milhões de dólares por evasão tributária imposta a Weiwei, que foi proibido de assistir à audiência. Críticos acusam o governo chinês de usar esse processo para calar o polêmico artista. 16/11/2011 REUTERS/David Gray