Condenação de punks russas seria uma tragédia, diz Madonna

segunda-feira, 6 de agosto de 2012 18:36 BRT
 

Por Alissa de Carbonnel e Kiryl Sukhotski

MOSCOU, 6 Ago (Reuters) - A cantora Madonna pediu nesta segunda-feira à Rússia que não condene três integrantes da banda punk Pussy Riot por realizar um protesto na principal catedral moscovita, e o ex-magnata petrolífero Mikhail Khodorkovsky, hoje preso, comparou o julgamento das moças a uma inquisição medieval.

Maria Alyokhina, de 24 anos, Nadezhda Tolokonnikova, de 22, e Yekaterina Samutsevich, de 29, podem ser condenadas a até sete anos de prisão por terem invadido em 21 de fevereiro o altar da principal catedral moscovita e feito uma "prece punk" à Virgem Maria para que livrasse a Rússia do então primeiro-ministro (e hoje presidente) Vladimir Putin.

A oposição diz que o processo contra a banda Pussy Riot é parte de uma onda de repressão contra manifestantes que têm realizado os maiores protestos na Rússia desde a ascensão de Putin ao poder, em 2000.

Madonna, que está em Moscou para fazer um show e abrir uma filial da sua academia de ginástica, somou-se a outros artistas internacionais, como Sting e Red Hot Chilli Peppers, na manifestação em defesa das três músicas-ativistas.

"Sou contra a censura e ao longo de toda a minha carreira sempre promovi a liberdade de expressão, a liberdade de opinião. Então obviamente acho que o que aconteceu com elas é injusto", disse Madonna à TV Reuters.

"Espero que elas não tenham de cumprir sete anos de prisão. Isso seria uma tragédia", disse Madonna, que também se envolveu em várias polêmicas em três décadas de carreira. "Acho que a arte deveria ser política. Historicamente falando, a arte sempre reflete o que está ocorrendo socialmente. Então, para mim, é difícil separar a ideia de ser artista e ser político."

O protesto das Pussy Riot na Catedral de Cristo Salvador irritou não só o Kremlin como também muitos líderes e fiéis da Igreja Ortodoxa. Elas disseram que escolheram esse local para protestar contra a promiscuidade entre a Igreja e os interesses de segurança do Estado.

"Há uma grande diferença entre crítica e ódio. Protesto não é ódio, e não é violência", disse Alyokhina ao tribunal nesta segunda-feira.   Continuação...