Cantora Sarah Brightman pode ser próxima turista espacial da Rússia

quarta-feira, 22 de agosto de 2012 18:46 BRT
 

Por Gabriela Baczynska

MOSCOU, 22 Ago (Reuters) - A cantora britânica Sarah Brightman pode ser a próxima passageira pagante a viajar no foguete russo para a Estação Espacial Internacional, informou a agência de notícias Interfax nesta quarta-feira, citando um funcionário na indústria espacial da Rússia.

Se isso acontecer, Brightman, 52 anos, faria a viagem em 2015 e seria a primeira cliente pagante desde o fundador do Cirque du Soleil, Guy Laliberté, que vestiu um nariz de palhaço durante sua viagem de 2009, afirmou o funcionário, que não teve o nome revelado.

A Rússia enviou sete passageiros privados para a Estação Espacial Internacional, cada um deles supostamente pagando 20 milhões de dólares. O gerente de investimentos norte-americano Dennis Tito foi o primeiro a fazer a viagem em 2001.

Mas as vagas nas cápsulas Soyuz de três pessoas se tornaram escassas desde que a agência espacial norte-americana Nasa aposentou seus ônibus espaciais no ano passado, deixando os foguetes russos como os únicos meios capazes de transportar tripulações para a estação por enquanto.

Brightman -- que conquistou a fama estrelando nos elencos originais de Londres e Nova York de "O Fantasma da Ópera" -- visitou a Rússia há cerca de um mês e recebeu a aprovação de uma comissão médica para começar a treinar no Centro de Treinamento de Cosmonautas fora de Moscou, informou a fonte.

O agente de Brightman não estava imediatamente disponível para comentar o assunto, e os funcionários da Space Adventures, uma empresa com sede nos EUA que já organizou viagens pagas no passado, também não estavam imediatamente disponíveis para comentar.

 
Cantora britânica Sarah Brightman é vista durante entrevista coletiva com a Reuters nesta foto de agosto de 2008, em Pequim, na China. Brightman pode ser a próxima passageira pagante a viajar no foguete russo para a Estação Espacial Internacional, informou a agência de notícias Interfax nesta quarta-feira, citando um funcionário na indústria espacial da Rússia. REUTERS/Eric Gaillard 09/08/2008