ESTREIA-Heloísa Pérrisé retoma personagem em "O Diário de Tati"

quinta-feira, 23 de agosto de 2012 09:53 BRT
 

SÃO PAULO, 22 Ago (Reuters) - No filme "O Diário de Tati" há uma cena que não tem tanta importância para a narrativa, mas, em si, é chave para a credibilidade da história. A protagonista está atrasada para a aula, o carro da mãe não funciona e ela acaba embarcando na perua das crianças do primário. Quando a atriz Heloísa Périssé, que vive uma adolescente, sai do veículo no meio dos pimpolhos, pode soar estranho, mas ela mais parece um deles do que a adulta que atualmente vive Monalisa, na novela "Avenida Brasil".

Pode ser uma prova da competência da atriz, de 46 anos, ou mais um truque do cinema. A questão é que ela funciona como a personagem. Heloísa, evidentemente mais velha do que os demais atores que interpretam os colegas de Tati, está confortável e segura, especialmente porque não se coloca num pedestal nem olha os adolescentes de cima para baixo. Não existe também nenhuma caricatura da adolescência, só um olhar sobre a geração do presente.

Ainda assim, o filme se ressente um pouco do fato de ter sido feito há mais de cinco anos. Não que isso o invalide, mas deixa de contemplar alguns elementos da adolescência do nosso tempo - especialmente a comunicação ininterrupta com celulares e Internet. O computador de Tati, por exemplo, parece jurássico. Se detalhes como esse forem deixados de lado, "O Diário de Tati" tem algo a dizer e pode divertir.

Não se deve esperar muito mais do que uma extensão do quadro do dominical "Fantástico", no qual a personagem ganhou mais destaque - apesar de criada no teatro e ter participado da "Escolinha do Professor Raimundo". Heloísa (que coescreve o roteiro com Tiza Lobo e Paulo Cursino) e o diretor Mauro Farias estão cientes do tamanho do filme, e não ambicionam mais do que a personagem pode dar conta. Por isso, funciona.

Há um elemento cômico, mas também de ternura e respeito, quando Heloísa interpreta uma adolescente. É impossível nunca ter conhecido uma "Tati" (ou mesmo ter sido uma) ao longo da vida. Aquela ansiedade em que cada dia parece ser o último e os seus desejos, medos e sofrimentos, os maiores do mundo. O jeito de falar, o uso de gírias e trejeitos dão o tom e a veracidade à personagem.

A trama se abre como uma crônica da juventude - descompromissada e praieira, como a personagem, afinal o filme não tem (e nem deve ter mesmo) qualquer ambição antropológica. Tati e toda a sua classe ficam em recuperação de matemática. Para tentar não perder o ano, ela assiste a aulas particulares com o amigo de seu irmão (Pedro Neschling), Maurinho (Marcelo Adnet).

No ambiente escolar surgem as disputas com sua rival, Camila (Thais Fersoza), pela atenção do menino mais popular, Zeca (Thiago Rodrigues) e os laços de amizade. Em casa, são as interações de Tati com a mãe (Louise Cardoso, sempre excelente) que conduzem as relações familiares. É claro que "O Diário de Tati" tem mais a dizer ao público adolescente e, com ele, travar um diálogo saudável.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb