Filme sul-coreano brutal e comovente impressiona Veneza

terça-feira, 4 de setembro de 2012 13:35 BRT
 

Por Mike Collett-White

VENEZA, 4 Set (Reuters) - "Pieta", um novo filme da Coreia do Sul, é tão violento que é difícil de assistir, mas a história de um agiota impiedoso e da misteriosa mulher que diz ser sua mãe se transforma em um suspense contagiante e uma comovente história de amor.

O diretor Kim Ki-duk não faz rodeios em seu conto de vingança cruel e redenção, e a atriz principal Cho Min-soo, que ele descreve como sua "Maria de cabelos negros", é uma das favoritas para levar o prêmio de melhor atriz quando o festival terminar, no sábado.

Embora o público ocidental possa ter dificuldades para encontrar um cinema disposto a exibir "Pieta", um prêmio no festival mais antigo do mundo pode garantir ao filme pelo menos uma distribuição limitada, e o longa também é um sério candidato ao Leão de Ouro de melhor filme em Veneza.

A história começa com Kang-do, um magro e inexpressivo cobrador de dívidas aterrorizando as oficinas de metal sujas onde trabalhadores empobrecidos ganham sua existência miserável em uma favela em Seul.

Ao estabelecer o enredo em meio a becos miseráveis na sombra dos arranha-céus do centro da cidade, Kim faz de "Pieta" uma ampla crítica sobre a ganância, as falhas do sistema financeiro e como a sociedade como um todo deve ter alguma culpa por virar a cara para o outro lado.

"Eu sinto que este filme em particular é um filme dedicado à humanidade, à nossa situação difícil em uma crise capitalista extrema", disse Kim a jornalistas após uma exibição para a imprensa de "Pieta" e antes de sua estreia mundial no tapete vermelho nesta terça-feira.

CENAS CHOCANTES

Os devedores que não podem arcar com os juros exorbitantes pagam caro, com mãos e braços mutilados em sua própria máquina ou membros esmagados em pedaços para que Kang-do possa recolher o seguro.   Continuação...

 
Ator sul-coreano Lee Jung-jin (D) posa com atriz Cho Min-soo e diretor Kim Ki-duk (C) no tapete vermelho durante a estreia do filme “Pieta” no 69o Festival Internacional de Cinema de Veneza. 04/09/2012 REUTERS/Max Rossi