Filme exibido em Veneza revive caso de eutanásia que dividiu a Itália

quarta-feira, 5 de setembro de 2012 15:14 BRT
 

Por Silvia Aloisi

VENEZA, 5 Set (Reuters) - Um caso de 2009 sobre o direito de morrer que dividiu profundamente a opinião pública na Itália, majoritariamente católica, é o centro de um novo filme explorando os temas de eutanásia, suicídio e a fé religiosa, que está disputando o prêmio principal do Festival de Cinema de Veneza.

"Bella Addormentata", que se traduz como A Bela Adormecida, mostra os últimos dias de Eluana Englaro, uma mulher de 38 anos que estava em coma desde um acidente de carro 17 anos antes e se tornou um nome familiar na Itália, quando seu pai decidiu suspender sua alimentação artificial.

Misturando imagens reais de TV e personagens de ficção, o diretor Marco Bellocchio recria o acalorado debate que cercou a morte de Englaro.

Fora da clínica onde ela estava internada, ativistas pró-vida entraram em confronto com defensores da eutanásia; dentro do Parlamento, legisladores trocaram insultos quando o então primeiro-ministro Silvio Berlusconi tentou impor uma lei que teria forçado os médicos a retomar a alimentação dela através de um tubo.

Englaro morreu enquanto os senadores discutiam o projeto de lei em uma sessão tarde da noite.

Contra esse pano de fundo, os quatro personagens principais do filme oferecem seus pontos de vista diferentes e conflitantes em questões sobre o fim da vida e o livre arbítrio e os dilemas morais que eles levantam.

Embora o filme claramente seja mais favorável às opiniões seculares, Bellocchio disse ter deliberadamente evitado tomar uma posição firme, dando voz a uma variedade de perspectivas.

"Minhas ideias são certamente diferentes das de alguns dos personagens do filme, mas consigo encontrar algo com que me relaciono em todos eles", disse ele a jornalistas após uma exibição para a imprensa em Veneza.   Continuação...