5 de Setembro de 2012 / às 18:17 / 5 anos atrás

Filme exibido em Veneza revive caso de eutanásia que dividiu a Itália

Por Silvia Aloisi

VENEZA, 5 Set (Reuters) - Um caso de 2009 sobre o direito de morrer que dividiu profundamente a opinião pública na Itália, majoritariamente católica, é o centro de um novo filme explorando os temas de eutanásia, suicídio e a fé religiosa, que está disputando o prêmio principal do Festival de Cinema de Veneza.

“Bella Addormentata”, que se traduz como A Bela Adormecida, mostra os últimos dias de Eluana Englaro, uma mulher de 38 anos que estava em coma desde um acidente de carro 17 anos antes e se tornou um nome familiar na Itália, quando seu pai decidiu suspender sua alimentação artificial.

Misturando imagens reais de TV e personagens de ficção, o diretor Marco Bellocchio recria o acalorado debate que cercou a morte de Englaro.

Fora da clínica onde ela estava internada, ativistas pró-vida entraram em confronto com defensores da eutanásia; dentro do Parlamento, legisladores trocaram insultos quando o então primeiro-ministro Silvio Berlusconi tentou impor uma lei que teria forçado os médicos a retomar a alimentação dela através de um tubo.

Englaro morreu enquanto os senadores discutiam o projeto de lei em uma sessão tarde da noite.

Contra esse pano de fundo, os quatro personagens principais do filme oferecem seus pontos de vista diferentes e conflitantes em questões sobre o fim da vida e o livre arbítrio e os dilemas morais que eles levantam.

Embora o filme claramente seja mais favorável às opiniões seculares, Bellocchio disse ter deliberadamente evitado tomar uma posição firme, dando voz a uma variedade de perspectivas.

“Minhas ideias são certamente diferentes das de alguns dos personagens do filme, mas consigo encontrar algo com que me relaciono em todos eles”, disse ele a jornalistas após uma exibição para a imprensa em Veneza.

“Eu não tenho fé, mas eu respeito aqueles que têm, e olho para eles com curiosidade e interesse.”

Ele disse que tinha falado sobre o filme com o pai de Eluana, Beppino Englaro, que lutou por meio dos tribunais italianos durante uma década para que o tubo de alimentação da filha fosse removido, tornando-se um símbolo dos defensores do direito de morrer.

“Ele não fez nenhuma objeção. Sei que ele já viu o filme, mas eu não quero dizer nada sobre o que ele pensa dele”, disse Bellocchio.

O veterano ator italiano Toni Servillo interpreta um senador do partido de centro-direita de Berlusconi dividido entre a lealdade política e suas convicções pessoais, e também lutando para encontrar um ponto em comum com sua filha, uma ativista pró-vida católica.

Isabelle Huppert interpreta a Mãe Divina, uma atriz famosa que se volta para a religião na esperança de despertar a própria filha de um estado vegetativo. E uma viciada em drogas vê suas tentativas de tirar a própria vida serem repetidamente frustradas por um jovem médico.

“No fim das contas o questionamento do filme é que nós queremos ser livres para escolher, mas, então, o que faremos depois com essa liberdade assim que a tivermos”, disse Huppert. “Ninguém pode responder isso e nós não tínhamos uma resposta quando filmamos.”

Bella Addormentata é um dos três títulos italianos na competição principal do Festival de Veneza, que termina no sábado.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below