ESTREIA-Em "Cara ou Coroa", irmãos vivem conflitos na época da ditadura

quinta-feira, 6 de setembro de 2012 09:03 BRT
 

SÃO PAULO, 6 Set (Reuters) - A dualidade do título do novo longa do cineasta Ugo Giorgetti (de "Boleiros") já é um indício do caminho que o filme --também roteirizado por ele-- irá percorrer: a história de dois irmãos, João Pedro (Emilio de Mello, de "Cazuza - O Tempo Não Para") e Getúlio (Geraldo Rodrigues, de "Linha de Passe"), que, cada um à sua maneira, perdem a inocência no começo da década de 1970, nos anos de chumbo da ditadura.

O teatro é o pano-de-fundo de "Cara ou Coroa" e, de certa forma, uma metáfora para as relações familiares e sociais nas quais esses personagens estão envolvidos. João Pedro é diretor de teatro e, no momento, ensaia uma montagem de "O Interrogatório", de Peter Weiss. Mas seus problemas não são bem com a censura, mas com o Partido Comunista que espera, de certa forma, com a obra catequizar as massas - ou algo que o valha. João Pedro quer ser livre, vive para e pela sua arte, e, como diz, vai atrás do novo, esteja onde estiver.

Já Getúlio precisa pedir ajuda à namorada, Lilian (Julia Ianina), neta de um general (Walmor Chagas) na reserva, para esconder num quartinho em sua mansão dois perseguidos políticos. Aí que entra o teatro da vida real no filme. O casal - especialmente a garota - vive dentro de uma encenação para o avô. São poucos dias, mas cada segundo os consome, os transforma como seres humanos e também a sua relação.

Giorgetti tem um olhar delicado e, ao mesmo tempo, bastante realista sobre seus personagens e seu momento histórico - passando longe daquela visão de guerrilheiro repleta de glamour, idealizado ou mártir. São pessoas fazendo pequenas coisas dentro de seus cotidianos, tornando-se pequenos heróis. É nesse sentido que irão perder a ingenuidade e perceber que a luta real é mais complexa e delicada do que aquela professada em discussões.

Joao Pedro gostaria que sua arte fosse livre, que pudesse fazer teatro a seu modo --pela paixão, não com uma agenda política tão evidente, enquanto Getúlio é tragado quase que contra sua vontade para ajudar os dois militantes.

O retrato que o filme faz de uma época e de seus integrantes vai se complementando com pequenos personagens que trazem, em seus detalhes, nuances dos dois lados. Otávio Augusto é o tio reacionário que logo na primeira cena expulsa de seu táxi um homem de cabelo comprido e roupas hippies.

Já Carlos Meceni traz, em seu personagem, tanto um olhar mais crítico como um alívio cômico. Ele é o sujeito que chega e se acomoda, fila cigarro, bebida, faz comentários, quer vender notícia proibida mimeografada, mas não vai além disso --parece mais um relações públicas da militância.

É com esse painel de personagens que Giorgetti olha para o período. Muito ajuda o seu elenco bem dirigido --especialmente o trio central, Mello, Rodrigues e Ianina. A dimensão humana e palpável que eles dão aos seus personagens é o que traz densidade ao filme. A partir do retrato intimista, Giorgetti é capaz de captar algo bem maior e fazer um filme necessário.

(Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb