Filme sobre o profeta Maomé desencadeia protestos

quarta-feira, 12 de setembro de 2012 12:50 BRT
 

CAIRO, 12 set (Reuters) - Clipes de um filme que incitou um ataque a uma missão diplomática dos EUA na Líbia e o assassinato do embaixador norte-americano no país mostram uma produção desconexa retratando o profeta muçulmano Maomé várias vezes como um mulherengo, um homossexual, um molestador de crianças, um tolo, um falso religioso e sanguinário.

Para muitos muçulmanos, qualquer representação do profeta é uma blasfêmia. Caricaturas ou outras caracterizações feitas no passado e consideradas insultuosas enfureceram muçulmanos em todo o mundo, provocando protestos e a condenações por parte de funcionários, pregadores, muçulmanos comuns e muitos cristãos na região.

O pastor norte-americano Terry Jones, que enfureceu muitos muçulmanos por sua ameaça, em 2010, de queimar o Alcorão, chamou o filme de uma representação "satírica" sobre a vida de Maomé. Ele disse que mostrou um trailer promocional após a realização de um "julgamento" simbólico do profeta.

Seu "Dia Internacional do Juiz Maomé", anunciado em seu site www.standupamericanow.org --antes de ser realizado em 11 de setembro, o dia em que em 2001 a Al Qaeda atacou cidades dos Estados Unidos--, foi condenado pela Al-Azhar, prestigiosa instituição de ensino islâmico no Egito, em uma declaração emitida antes de os protestos eclodirem.

A Igreja Copta Ortodoxa do Egito também emitiu uma declaração condenando alguns coptas que vivem no exterior, que, segundo a igreja, financiaram "a produção de um filme que insulta o profeta Maomé". A embaixada dos EUA no Cairo também foi alvo de uma manifestação na terça-feira.

Clipes do filme, chamado "Innocence of Muslims", mas que também recebeu outros títulos em alguns sites, circularam na internet durante semanas antes do surgimento dos protestos.

Alguns pedidos de ativistas por protestos no Egito relacionaram Jones com o filme.

A mídia dos EUA disse que o filme foi produzido por um incorporador de imóveis israelense-americano. Links da internet indicaram Sam Bacile, um nome que poderia ter origem egípcia.

De acordo com os clipes, a primeira parte do filme, situada na era moderna, mostra cristãos coptas egípcios fugindo de uma multidão muçulmana enfurecida. A polícia egípcia olhava enquanto a multidão quebrava uma clínica onde um médico cristão trabalhava.   Continuação...