Louvre e Palácio de Versalhes pesam contra imposto sobre arte

terça-feira, 16 de outubro de 2012 13:55 BRT
 

Por Vicky Buffery

PARIS, 16 Out (Reuters) - As principais galerias de arte de Paris e o Palácio de Versalhes tiveram peso contra uma tentativa impopular de incluir as obras de arte em um imposto sobre fortunas, queixando-se em uma carta ao governo que tal medida poderia tirar coleções históricas da França.

O jornal Libération publicou um trecho de uma carta que disse ter sido assinado pelos chefes do Louvre, Versailles, Musée d'Orsay, Centro Pompidou, entre outros, e enviada para a ministra da Cultura e o presidente François Hollande, dizendo que o imposto iria esmagar o mundo da arte.

"Há um risco de que a França irá contribuir para o desaparecimento das coleções históricas que foram passadas através das gerações", afirma a carta publicada no jornal, que foi escrita na sexta-feira e também tem a assinatura de vários prefeitos.

Porta-vozes das várias galerias de arte não puderam ser encontrados para comentar.

Nesta terça-feira, o primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, aparentemente deu fim à tentativa de incluir obras de arte avaliadas em mais de 50.000 euros (64.700 dólares) em ativos usados para calcular a fortuna de uma pessoa, afirmando que o governo socialista foi contra a inclusão.

"Obras não serão incluídas no cálculo do imposto sobre a fortuna. Essa é a posição do governo", disse ele à rádio Europe 1.

Mas o ministro do Orçamento, Jerome Cahuzac, advertiu que a proposta ainda não foi sepultada.

"Nós vamos ter uma conversa franca com o grupo socialista. É possível um governo ser derrotado por sua maioria parlamentar", afirmou ele à rádio France Inter.   Continuação...